Por Leomar Maciel

Cada um defende seu pensamento, mas, no entanto, cabe à justiça olhar com atenção e bom senso, pois, são pessoas humanas que por lá atuam, trabalham. E as letras da Lei, em si, são observadas e cumpridas com rigor ou bom senso, por homens e mulheres que têm coração.

Esclareço que as instituições religiosas prestam serviços sociais sim, de forma indireta do poder público. Que a todos recebem sem distinção de cor, poder aquisitivo, credo religioso ou cultural. Recuperam, assistem e acompanham milhares de pessoas, muitas delas “excluídas” do meio social “superior” (que às vezes, até ajudam em ocasiões muito “especiais”. Para serem vistos e aplaudidos). Quanto aos religiosos (de todas as crenças), estes sim, fazem caladamente o trabalho de “formiguinhas”… Dia a dia, caso a caso, fazendo de nossa sociedade, um lugar menos sofrido de viver.

Respeito à opinião de todos também, afinal, na democracia temos direitos e deveres constituídos e temos que cumprir as normas. Mas a norma mais importante que gostaria de aqui observar é aquela que em nossa Constituição Federal Brasileira, assegura o direito a vida, segurança, habitação, educação. Que assegura (pelo menos em Lei) que todo o brasileiro nascido ou naturalizado, tenha direito de viver com dignidade, respeito (inclusive às suas crenças). Mas infelizmente não é isso que vemos acontecer. Creio (não sei) que há uma inversão de valores em nossa sociedade brasileira. Onde os criminosos não são “culpados” o suficiente pra serem punidos rigorosamente (sabemos que o Poder Judiciário nada pode fazer, pois a leis não são criadas por ele). Onde o cidadão de bem (trabalhador honesto) é “preso” dentro de sua própria morada (quando tem) e refém de seus “medos” (medo de ser assaltado, violentado e morto dentro do próprio lar. E anda e vive DESARMADO e sem direito a defesa da sua vida. O meliante, esse sim, anda ARMADO e cheio de maldades).

VEJA TAMBÉM
Em sabatina de líderes evangélicos, Raul reafirma compromisso de parcelar dívidas do IPTU


Jesus ajuda o aleijado. Imagem: Reprodução/Web

Em meio a estas crises existenciais estão as IGREJAS. Que fazem o papel de AMPARADOR, RECUPERADOR, ACOMPANHADOR das pessoas que procuram por ajuda. E é esta pouca, mas ainda existente e eficiente ajuda, que está sendo aos poucos sendo minada. Respeito os poderes públicos constituídos por Lei. Acato suas decisões como cidadão. Mas cobro das pessoas que por elas respondem. Que se lembrem das pessoas de suas famílias (quantas delas até já se cansaram de pedir ajuda…), se não as têm, pelo menos se lembrem das famílias das outras pessoas. Lembrem-se, um dia vamos encarar o Criador. E quando chegar essa hora, cada ato (que poderia ter sido resolvido com inteligência, bom senso e amor) será cobrado.

Esta é a minha LIVRE OPINIÃO DE EXPRESSÃO. De um cidadão palmense que trabalha pra essa comunidade desde 1.991. Que igualmente têm milhares de homens e mulheres que deixaram sua terra natal, vindo para o sonho de ajudar a construir esta cidade. Se nos expulsarem dos templos já construídos, iremos para as ruas, praças, casas… Não iremos QUEBRAR O PAU, pois, somos PACIFICADORES. Mas cada pessoa perdida, pela dificuldade criada… Deus requererá de cada um… Que Deus tenha misericórdia de nós palmenses.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.