Por Pr. Silas Malafaia

Em 1 Timóteo 2.9,10 (NVI), Paulo declarou:

Quero que as mulheres se vistam modestamente, com decência e discrição, não se adornando com tranças e com ouro, nem com pérolas ou com roupas caras, mas com boas obras, como convém a mulheres que declaram adorar a Deus.

Pedro disse algo semelhante:

A beleza de vocês não deve estar nos enfeites exteriores, como cabelos trançados e joias de ouro ou roupas finas. Ao contrário, esteja no ser interior, que não perece, beleza demonstrada num espírito dócil e tranquilo, o que é de grande valor para Deus.

1 Pedro 3.3,4 (NVI)

Os apóstolos Paulo e Pedro não afirmaram que é pecado vestir-se bem e usar joias. Eles apenas enfatizaram que a verdadeira beleza da mulher cristã é a interior. O cerne do que Paulo e Pedro ensinaram é: as mulheres cristãs devem vestir-se com modéstia, moderação, decência, sobriedade, ou seja, com trajes decentes e honrados, evitando modismos indecentes que as desqualifiquem como servas de Deus. Elas devem evitar a ostentação, o exagero, a falta de compostura e a sensualidade. Esse é um princípio que transcende as culturas e o tempo, portanto permanece até os nossos dias.

VEJA TAMBÉM
Pr. Malafaia e procurador denunciam erotização de crianças nas escolas

O modo de vestir-se tem a ver com questões socioculturais, mas não é uma condição para a salvação. Logo, não pode ser considerada doutrina bíblica. Costumes não são doutrinas.

As mulher e os homem para os quais Moisés ensinou as regras na Torá vestiam-se com roupões, túnicas longas. O homem não usava terno, e a mulher não tinha vestidos como os que conhecemos hoje. A diferença da roupa do homem para a da mulher muitas vezes era apenas uma questão de tamanho, cor e ornamentos. (Atente para as vestimentas usadas no Oriente Médio ainda hoje.) Logo, hoje em dia, não são as calças compridas que caracterizam as vestes masculinas. Existem calças para homens, e calças bem femininas, para as mulheres.

Além disso, é provável que, sabendo que o Senhor preza as diferenças entre o feminino e o masculino e o relacionamento heterossexual, mas que certas religiões pagãs antigas apregoavam o uso de roupas “unissex” e o homossexualismo, Moisés, orientado por Deus, para combater tal influência cultural pecaminosa, tenha ordenado:

Não haverá trajo de homem na mulher, e não vestirá o homem veste de mulher; porque qualquer que faz isto abominação é ao SENHOR, teu Deus.

VEJA TAMBÉM
Silas Malafaia comemora 35 anos de trabalho da Associação Vitória em Cristo

Deuteronômio 22.5

Contudo, ainda na atualidade, há líderes religiosos que, desconsiderando as questões culturais nos textos do Antigo e do Novo Testamento, proíbem às mulheres o uso de brincos, de maquiagem, da calças compridas.

Não estou condenando os pastores que são mais rígidos quanto aos costumes, apenas esclarecendo as diferentes interpretações de textos considerados básicos para a permissão ou a proibição de calças compridas, brincos e maquiagem.

Às cristãs que congregam em igrejas mais tradicionais, recomendo que, mesmo tendo esse entendimento, abram mão das calças compridas, do brinco, da maquiagem, se isso ameaçar a comunhão que têm com seus líderes espirituais e irmãos em Cristo e para não provocar escândalos à fé de alguém.

Se não estiverem dispostas a obedecer ao seu pastor por amor à Palavra e à sua igreja (Hebreus 13.17), devem mudar com a sua família para uma denominação que não imponha certos costumes como doutrina.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.