Screenshot(58)Na manhã do dia 29 de agosto, 43 índios Xerente desceram às águas no batismo demonstrando a sua confissão de fé em Jesus Cristo como salvador das suas vidas.

O batismo aconteceu na Aldeia Salto no município de Tocantínia-TO, que é acompanhada pelo missionário pastor Rinaldo de Mattos e sua esposa Gudrun de Mattos. A maioria são de jovens assumindo um compromisso com Jesus Cristo, que segundo o pastor Rinaldo começaram a ouvir o Evangelho quando ainda eram crianças. “Armando e Betania Xerente, ganharam vários deles, que agora como jovens estão sendo batizados, além de Valci Xerente, que realiza cultos com os jovens todo sábado”, explica o pastor Rinaldo. Mas no meio dos jovens também foi batizado um ansião, o índio Pedro Xerente, que é pai de um dos dirigentes na aldeia, o Silvino Xerente.

Segundo o pastor Rinaldo, esta festa do batismo tem ainda um maior significado por os novos crentes serem frutos do trabalho dos próprios indígenas. “Esse batismo é importante em muitos aspectos, um deles é que os novos batizados são frutos diretos dos nossos discípulos, eles é quem ganharam esses jovens para Cristo. Vale a pena fazer discípulos que fazem discípulos”, informa pastor Rinaldo.


Pastor Rinaldo juntamente com a Igreja em Tocantínia momento antes do batismo. Foto:Divulgação/BatistasTocantins

O discipulado vem sendo realizado pelos índios de casa em casa e também por meio da dança, teatro e celebrações. “A obra indígena tem o seu preço, e às vezes o preço é o tempo e muita gente não quer gastar todo aquele tempo, mas vale a pena. Com até 30 anos de missão tínhamos um crente aqui, um crente lá e nenhum sinal de igreja, e foi depois desses 30 anos de ministério para frente que começaram a aparecer os frutos, mas também apareceram como sementes jogadas em terra boa”, declara pastor Rinaldo.

VEJA TAMBÉM
Assembleia de Deus batiza 12 mil fiéis no Amazonas


Batismo de um dos dezenas de índígenas convertidos na Aldeia Salto em Tocantínia. Foto:Divulgação/BatistasTocantins

O batismo foi realizado nas águas do Rio Tocantins com a presença das famílias dos batizandos, de líderes indígenas da Aldeia Salto, também dos pastores e missionários batistas em Tocantínia e liderança da Convenção Batista do Tocantins.

Culto de Batismo

A celebração do batismo começou com um Culto em Gratidão à Deus pelo trabalho realizado dentro da Aldeia e que tem sido desenvolvido pelos próprios índios. O culto foi conduzido na língua Xerente e foram entoados hinos de louvor pelos 43 novos batizados e cantadas composições inéditas criadas por ministros de louvor.


Igreja a beira do Rio Tocantins para realização do batismo. Foto:Divulgação/BatistasTocantins

A palavra foi ministrada pelo pastor Guenter Carlos Krieger e logo após toda a Aldeia e os batizandos desceram à beira do Rio Tocantins para celebrarem os batismos, que foram conduzidos e realizados pelos líderes e dirigentes indígenas.

Para o dirigente indígena Pedro Xerente, é uma alegria realizar esse batismo. “Nós como líderes ficamos felizes em ver os nossos irmãos, em Cristo agora, e que foram evangelizados por nós, seguindo os ensinamentos de Jesus e o primeiro deles foi o batismo. Nunca aconteceu antes de batizarmos essa quantidade de pessoas, mas Deus já havia marcado esta data, que hoje está acontecendo, e de agora para frente vamos ajudar esses jovens a serem futuros líderes para ganharmos o nosso povo para Cristo”, declarou Pedro Xerente.

VEJA TAMBÉM
Missionários falam sobre trabalho no sertão

Evangelho de casa em casa

Segundo o pastor Rinaldo Mattos, o evangelho pregado de casa em casa é uma das maneiras em que os Xerente estão aprendendo, dentro da sua realidade, a fazer a sua própria igreja.


Pastor Rinaldo e sua esposa Gudrun de Mattos são os missionários batistas que atuam naquela região. Foto:Divulgação/BatistasTocantins

“Os índios estão fazendo muitas vigílias noturnas com a iniciativa de impedir que o novos crentes participem de festas regadas por bebidas alcoólicas, que acarreta com muitas brigas e até mesmo com mortes. Depois da vigília, eles passam o dia fazendo cultos nas casas copiando o modelo das festas de folia e com isso já são vistos os frutos com a conversão de vidas por meio da iniciativa genuínamente indígena”.
Com informações Convenção Batista

 

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.