A562e3607c2469Por Renato Vargens

Antes de qualquer coisa torna-se importante afirmar que sou absolutamente contra a maridos cujas atitudes se caracterizam pela ditadura e despotismo.

Ao contrário destes coronéis do lar, as Escrituras Sagradas não autorizam aos homens a fazerem de suas esposas pessoas desprovidas de vontade, desejo e decisões.

Isto posto, vamos ao texto:

Nosso tempo tem sido marcado por uma significativa omissão masculina. Lamentavelmente tornou-se comum encontrarmos nos lares cristãos homens desprovidos de iniciativa e liderança, o que por si só tem trazido inúmeros problemas à família cristã.

Ora, Deus na sua Soberania determinou que a condução dos rumos da família bem como sua liderança deveria ser um papel masculino. (Efésios 5.2; 1 Co 11.9), contudo, devido ao feminismo, a inversão de papeis imposto pelo sociedade pós-moderna, além é claro de uma visão distorcida sobre o significado de masculinidade, os homens de nossas igrejas abandonaram suas funções, terceirizando suas responsabilidades como pais e maridos, o que se percebe nitidamente na devocionalidade familiar, senão vejamos:

VEJA TAMBÉM
Advogado diz que psicólogos eram amigos de Bianca Toledo

1-) A maioria dos maridos entregaram a responsabilidade de educar, corrigir e disciplinar os filhos as suas esposas.

2-) A maioria dos maridos deixaram na mão de seus cônjuges a responsabilidade de ensinar os filhos os preceitos do Senhor. Nessa perspectiva, eles não conduzem os cultos domésticos, não tomam a iniciativa de levar a família a igreja, não oram, muito menos leem a Palavra de Deus com os seus filhos pequenos.

3-) Permitem que suas esposas decidam os rumos da família, tornando-se assim subservientes as decisões de suas mulheres.

4-) Omitiram-se na Igreja, permitindo que suas mulheres liderem “na e a” congregação, tornando-se apoiadores e não condutores da família e comunidade da fé.

Caro leitor, homens “banana” tem sido um grave problema na Igreja de Cristo, o que em parte tem contribuído para uma série de disfunções familiares o qual em si tem corroborado com o adoecimento da sociedade.

Diante do exposto julgo que mais do que nunca necessitamos regressar as Escrituras extraindo dela princípios práticos e saudáveis que se aplicado no temor do Senhor, poderá proporcionar tanto a homens como mulheres, a construção de uma família mais feliz.

VEJA TAMBÉM
A "imbecilização" da Igreja brasileira

Pense nisso!

Renato Vargens A562e3607c2469

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.