Preocupado com o aumento no número de casos de microcefalia no país e no Estado, o vereador Marilon Barbosa usou a tribuna nesta terça-feira, 1º de dezembro para defender a aprovação de um requerimento de sua autoria em regime de urgência que solicita à Secretaria Municipal de Saúde a criação de uma força tarefa de combate ao mosquito Aedes Aegypti na capital, principal transmissor do Zika vírus que segundo estudos até o momento é o responsável pelos casos de microcefalia.

Crédito Foto: Lourenço Bonifácio
Crédito Foto: Lourenço Bonifácio

Em seu discurso, Marilon Barbosa disse que é necessária uma ação preventiva urgente por parte do município para evitar a proliferação do mosquito com a chegada do período chuvoso. “Este mosquito tem causado uma grande insegurança nas mulheres grávidas e nas famílias que pretendem terem seus filhos com saúde, uma vez que ele é o transmissor da Zika, doença esta que está associada aos casos de microcefalia em crianças,” destacou.

Na defesa do seu requerimento, o vereador ressaltou a importância de manter o controle do mosquito. “O que sabemos até agora sobre como evitar o aumento de casos de microcefalia é controlando a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, e esta é uma tarefa do poder público. Temos o dever de proteger nossas crianças desde o momento em que elas foram concebidas. Não podemos deixar que aconteçam casos para depois tomarmos as providências, disse Marilon, acrescentando que já foram diagnosticado casos de Zika em Palmas, e por isso, é preciso prevenir, orientar a população e fazer uma verdadeira caça ao mosquito.

VEJA TAMBÉM
Seis Estados decretaram estado de emergência por zika; veja o que muda

Ação Preventiva

Já está sendo planejada para a próxima semana pelo vereador Marilon Barbosa, o Instituto Professora Maria Rosa e alguns parceiros, uma mobilização no Distrito de Taquaruçu de conscientização às pessoas sobre os riscos de contrair as doenças: Dengue, Zika e Chikungunya que são transmitidas pelo mosquito.

Microcefalia

A microcefalia é uma doença rara que faz com que o bebê nasça com o crânio do tamanho menor do que o normal e pode causar atraso no desenvolvimento neurológico, psíquico e/ou motor da criança, além de déficit cognitivo, visual ou auditivo e epilepsia.

Em Palmas a Secretaria de Saúde do Estado já notificou 04 casos de Zika e no norte do Estado foram diagnosticados 12 casos de microcefalia. No Brasil já são mais de 1.200 casos de microcefalia.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.