O programa Palmas Solar que está sendo implantado na Capital foi o tema abordado pelo prefeito Carlos Amastha durante sua participação no workshop sobre “Energias Renováveis nas Cidades”, realizado na manhã desta sexta-feira, 04, dentro da programação da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 21), em Paris.

6a4e0b9a44a65a3326524f7abea39d44

Ao lado de prefeitos do mundo inteiro – Gregor Robertson (Vancouver – Canadá), Daniella Radice (Bristol – Inglaterra), Katrin Stjernfeldt Jamme (Malmö – Suécia) e Claude Turmes (membro parlamento europeu para Luxemburgo), entre outros, que também falaram das suas ações em prol da sustentabilidade – Amastha reiterou o grande potencial energético existente em Palmas.

Amastha ressaltou que a minuta da lei do Palmas Solar nasceu no I Seminário Internacional Palmas Solar realizado do dia 29 de junho a 1º de julho deste ano, na Universidade Federal do Tocantins, com a participação diária de 250 pessoas. Professores, pesquisadores, especialistas e demais integrantes da sociedade acadêmica e científica, nas áreas de Engenharia, Arquitetura e afins, foram ouvidos no intuito de criar um projeto que agregasse um número ainda maior de pesquisadores do tema.

VEJA TAMBÉM
Amastha publica Decreto reajustando IPTU em 25%; oposição promete ir à Justiça

O objetivo do evento foi, entre outros, inserir Palmas no cenário mundial, como referência do uso eficiente de energia solar, tendo em vista a excelente condição natural da região. “Chegamos à conclusão unânime de que esse sol maravilhoso que recebemos todos os dias é a maior das nossas potencialidades e a maior das nossas vantagens. Por isso, a gestão já vinha discutindo o tema, e esse evento foi o ponto alto desse debate”, ressaltou Amastha.

O Programa Solar visa contribuir para a melhoria das condições de vida das famílias palmenses, aumentar a competitividade e estimular o uso de energia fotovoltaica, mitigar a geração de Gases de Efeito Estufa, criar alternativas para compensação de áreas degradadas, reduzir a demanda de energia elétrica em horários de pouco de consumo, entre outros.

“Este projeto conta ainda com incentivos fiscais, como desconto no IPTU. Queremos estimular também o desenvolvimento e a capacitação dos setores comerciais e de serviços relativos a sistemas de energia solar, assim como promover o desenvolvimento sustentável em Palmas”, destacou Amastha, lembrando que Lei Complementar Nº 327, de 24 de novembro de 2015, já está em vigor.

VEJA TAMBÉM
Vereador Iratã Abreu, de ferrenho opositor a fiel aliado de Amastha

Acompanham o prefeito Amastha, a presidente da Fundação Municipal de Meio Ambiente, Germana Pires e o secretário extraordinário Extraordinário de Implementação de Projetos Especiais, Ephim Shluger.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.