Da Redação JM Notícia

O Partido Socialista Liberal no Tocantins, (PSL), é tido nos bastidores da política palmense, como uma legenda unida, que agregou várias lideranças políticas, e lograram êxito nas urnas, após eleger dois vereadores na Capital, Gerson da Mil Coisas e Cleiton Cardoso. Seguindo essa linha de fortalecimento e unidade, a legenda conseguiu chegar ao parlamento tocantinense, elegendo Cleiton Cardoso Deputado Estadual.

Christian Zini, presidente regional do PSL no TO - Foto: T1 Notícias
Christian Zini, presidente regional do PSL no TO – Foto: T1 Notícias

Atualmente, o partido comanda duas pastas importantes na gestão Amastha, sendo a Secretaria Municipal de Acessibilidade, Mobilidade, Trânsito e Transporte (Christian Zini), e Ação Social, com Eliane Campos. No entanto, segundo relatos de líderes do partido, no âmbito municipal, eles não estariam nada satisfeitos com o comando no estado.

Segundo o líder que pediu para não ser citado, o atual presidente do partido, Christian Zini, tem o comando da legenda, mas não os “liderados”. “Formamos um grupo para trabalharmos por um projeto político, que é chegar a Prefeitura de Palmas. O presidente tem que olhar para o grupo, defender o grupo, da forma que estar, existe uma certa insatisfação, com a forma dele gerir o partido”, disparou.

VEJA TAMBÉM
Operação Ação e Solução levará serviços públicos simultaneamente às quadras da Capital

O líder partidário ainda afirmou que em uma possível hipótese dos 26 membros deixarem o partido, para onde eles forem o grupo continuará unido, mas negou que tenham a pretensão de deixar o partido.

“Vamos trabalhar com a direção estadual para que esse quadro venha mudar”.

Sucessão

Ainda em entrevista ao JM Notícia, o membro do PSL disse que havia um acordo para que Zini, deixasse a presidência do partido e outro membro assumisse. “Tem que haver a alternância de poder, não podemos ser como outras legendas, e ele não cumpriu esse acordo”, disparou.

Governabilidade

Perguntado se a legenda já tem compromisso com a reeleição do prefeito Carlos Amastha, o líder partidário, afirmou que o partido está na base pela governabilidade, e que o partido em âmbito municipal, não é comissão, e sim, diretório. “Teremos total autonomia para decidir os rumos a tomar em 2016”.

De saída do Partido

O JM notícia entrou esteve em contato com um presidente de uma legenda da capital, e o mesmo afirmou que existe conversas no sentido de receber integrantes do PSL. “Estamos apenas conversando, o partido está de braços abertos”, disse o presidente estadual.

VEJA TAMBÉM
Christian Zini está de malas prontas para o PSB de Amastha

O JM Notícia entrou em contato com assessoria do PSL, no entanto, não obtivemos retorno.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.