Senador Magno Malta, em vídeo gravado na sua página nas redes sociais, defendeu que o Ministro do Supremo Tribunal Federal, (STF) Luiz Edson Fachin se declare impedido para julgar o processo sobre a abertura do impeachment da presidente Dilma. “Pelo fato dele ter sido o último a ser indicado pela própria Dilma e ter feitos elogios públicos recentes a ela, ao Governo Federal e ao Partido dos Trabalhadores”, explicou Magno Malta.

maltar
Malta pede que Fachin se declare impedido para relatar julgamento de impeachment de Dilma

Em tom sereno, senador Magno Malta, alegando que o momento é muito importante, disse que “o senhor não deve se expor dessa forma. Com todo respeito, um conselho meu para o Ministro Fachin, todo mundo sabe, do discurso recente, que está nas redes sociais, do senhor elogiando a Dilma, fazendo mil elogios e colocando-a quase na condição de semi-deus. Ela e o governo dela. Pelo envolvimento é mais bonito o senhor se declarar impedido, antes que alguém, com certeza, arguir a suspeição do senhor”.

“Ministro Fachin, deixe isso para outro ministro relatar. A sua fala tomou as redes sociais e se o senhor foi enganado por eles, como eu fui e milhões de brasileiros, pois eu também defendi, fiz discurso, o Brasil todo sabe disso, até que um dia descobri um engodo, na verdade era tudo um projeto para criar um País para chamar de meu, da família deles. Assim, antes de correr o risco de virar chacota, tome a prudência de evitar tamanha exposição”, aconselhou Magno Malta.

VEJA TAMBÉM
Comissão no Senado aprova projeto para legalizar casamento gay

O senador também alertou sobre a declaração do Ministro Fachin de que iria criar parâmetros para o processo. Tem algo errado, já que Collor foi julgado depois da Constituição de 1988, em 1992, ou seja, as normas são as vigentes. Deve-se tomar cuidado para um poder não interferir no outro”, finalizou Malta, cujo vídeo já passou de um milhão de visualizações em menos de 24 horas.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.