Estacionamento Rotativo continuará, diz Justiça do Tocantins
Estacionamento Rotativo continuará, diz Justiça do Tocantins

Os palmenses vão continuar pagando estacionamento rotativo na capital. É que a Justiça do Tocantins negou na tarde desta sexta-feira, 18, ação do Ministério Público Estadual que pedia a suspensão do funcionamento do Estacionamento Rotativo de Palmas.

A Ação Civil Pública foi ajuizada no último dia 02 de dezembro, e pedia também a rescisão do contrato entre a Prefeitura de Palmas e a empresa concessionária Infosolo Informática Ltda, a única habilitada no processo de licitação.

O Ministério Público também solicitava na ação, a proibição da emissão da Tarifa de Pós-Utilização (TPU), no valor de R$ 10, pelos agentes de estacionamento. Segundo a magistrada, o ato é ilegal. Para o MPE a empresa concessionária não vem prestando um serviço público de estacionamento rotativo com qualidade,  conforme apurado no inquérito civil.

DECISÃO FAVORÁVEL A MUNICIPIO DE PALMAS

 Na decisão judicial, proferida pela juíza Silvana Parfieniuk, diz que foi legal o procedimento licitatório para escolha da empresa concessionária.

“Inicialmente, impõe observar que a seleção da empresa responsável pelas áreas de estacionamento se deu de forma regular sem qualquer ofensa a princípios basilares e com vistas, justamente, a um só tempo, conferir maior eficiência, segurança e comodidade aos seus consumidores, conforme consta dos autos da Ação Civil Pública nº 0020554- 65.2015.827.2729.

VEJA TAMBÉM
Profissionais da imprensa recebem homenagem na Câmara Municipal de Palmas pelo Dia do Jornalista

Afirma que após os esclarecimentos apresentados pelo Município de Palmas, destacou-se que a empresa preencheu os requisitos do edital, e que não há irregularidade quanto à cobrança dos serviços:

“No tocante ao fumus boni iuris, este não se apresenta demonstrado com a clareza que seria indispensável para a concessão da liminar pretendida. Isto porque, dentre os argumentos invocados na exordial e das manifestações do requeridos, destaca-se que a empresa requerida preencheu os requisitos do edital, nota-se ainda, que trata-se de insatisfação por parte de alguns consumidores quanto à forma de cobrança do serviço, não restando demonstrado nos autos que estas foram feitas de forma irregulares.

A juíza sustenta ainda que a contratação respeitou o fundamento contido na Lei Municipal nº 1.861/2012 e Decreto Municipal nº 704/2014, respaldado em Termo de Concessão.

“De igual sorte, o periculum in mora não se apresenta configurado, especialmente considerando que norma instituidora do serviço público delegado com fundamento na Lei Municipal nº 1.861/2012 e Decreto Municipal nº 704/2014, que o serviço vem sendo prestado pela empresa requerida, para o que se respalda em Termo de Concessão, guardando intervalo temporal de mais de 06 (seis) meses em relação ao marco do ajuizamento da presente demanda”.

VEJA TAMBÉM
Seminário Multiplique Jovem acontece este mês em Palmas com a participação de Heloisa Rosa

Por fim, o Judiciário frisou os benefícios advindos dos investimentos feitos pela Municipalidade e concessionária dos serviços na cidade. “Arrematando, ausente a plausibilidade das alegações (fumus boni juris), o indeferimento da liminar é medida que se impõe, especialmente porque, conforme lições doutrinárias e jurisprudenciais, se mostra desnecessária a análise do periculum in mora, o qual, se bem observado, milita, na hipótese, em favor da edilidade e da concessionária, diante dos investimentos já realizados e da logística mobilizada e desenvolvida”.

Após decisão pelo Poder Judiciário, a Prefeitura disse que a justiça decidiu de forma responsável ao analisar o processo, prevalecendo o interesse público dos serviços.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.