Alguns cristãos na Etiópia caminham quatro horas para frequentar as reuniões na igreja mais próxima. O problema se torna ainda pior porque o país vive em uma crise de fome e seca cada vez mais acentuada que tem feito com que muitos deixem de ir até a igreja por falta de forças.

“Muitos fiéis já não têm força para caminhar três ou quatro horas até a igreja mais próxima”, disse o padre Haile Gabriel Meleku, vice-secretário geral da Conferência Episcopal da Etiópia.

etiopes

Segundo ele a fome está atingindo cada vez mais pessoas. “A situação está piorando dramaticamente. As pessoas que correm perigo já são agora dois milhões a mais do que no mês passado, e esse número pode ser ainda maior do que estimamos”.

A fundação Ajuda à Igreja que Sofre, da Igreja Católica, doou mais de 1,2 milhão de euros para os trabalhos na Etiópia, para ajudar as 13 dioceses do país a enfrentarem a seca extrema que assola o território. Este ano a contribuição deve ser maior com o objetivo de ajudar os mais de 10 milhões de cidadãos etíopes correm risco de morte.

VEJA TAMBÉM
Cláudio Duarte grava vídeo pedindo perdão aos católicos por brincadeira com Maria

Fugindo da seca e da fome, os etíopes estão migrando internamente para áreas menos atingidas pelos problemas climáticos. Isso tem causado diversos problemas, entre eles a evasão das crianças nas escolas, além do risco de causar conflitos com os etíopes já residentes nos locais de chegada dos migrantes. Com informações Aleteia

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.