Da Redação JM Notícia

Dezenas de influentes líderes evangélicos do país assinaram nesta segunda-feira, 18, uma Nota Pública sobre as “guerras” teológicas que têm surgido nos mais diversos espaços e principalmente na internet entre verdadeiros “militantes” das correntes teológicas calvinista e arminiana.

Os líderes explicam na nota que a ideia surgiu por causa dessa recorrência de discussões e ataques pessoais realizados no âmbito eclesiástico, na internet e nas redes sociais, especialmente entre calvinistas e arminianos para a defesa de posições teológica“.

FotorCreatedLíderes emitem Nota contra “guerra” teológica entre calvinistas e arminianos

Pastores como Augustus Nicodemus, Ciro Sanches, Paulo Romeiro, Valmir Nascimento, Renato Vargens, Geremias do Couto e Solano Portela, assinaram a nota que condena abertamente o debate infrutífero e cheio de vaidades que muitos teólogos imaturos têm produzido na internet.

O pastor Valmir Nascimento informou ao JM Notícia que o documento foi elaborado em comunicações on line entre os participantes a partir do início de 2016.

Confira a Nota na íntegra:

Diante da recorrência de discussões e ataques pessoais realizados no âmbito eclesiástico, na internet e nas redes sociais, especialmente entre calvinistas e arminianos para a defesa de posições teológicas, NÓS, abaixo subscritos, vimos a público emitir a presente nota:

Reconhecemos a importância e a historicidade do debate teológico dentro da tradição cristã como meio de defesa e salvaguarda da verdade e, consequentemente, da ortodoxia bíblica.

Apoiamos a produção e a reflexão teológica realizada no ambiente da internet, em virtude de seu caráter democrático e do livre curso de ideias, como corolário da Reforma Protestante.

Repudiamos, todavia, que para a defesa de posições teológicas haja discussões e ataques pessoais realizados em nome da fé, que promovem dissensões, inimizades e escândalo ao nome de Cristo. Rejeitamos, assim, todo e qualquer conteúdo difamatório, ofensivo e jocoso, ainda que a pretexto do humor, produzido contra irmão de vertente religiosa diversa, que atente contra sua honra e imagem.

Entendemos incompatíveis com os preceitos que devem reger a conduta dos discípulos do Mestre posturas antiéticas que estimulam a zombaria, o desrespeito e o escárnio, baseado em dolo, distorções e mentiras.

Discordamos das publicações anônimas, especialmente quando realizadas com o objetivo de provocar animosidade e discórdia entre os cristãos. Além de ser proibido constitucionalmente (Art. 5o, IV), o anonimato atenta contra os princípios bíblicos da transparência (2Co 3.18), sinceridade (Tt 2.7) e honestidade (1Tm 2.2).

Relembramos que a calúnia, a injúria e a difamação são crimes contra a honra, de acordo com o Código Penal Brasileiro, os quais não se coadunam com o caráter do verdadeiro cristão, que deve expressar o fruto do Espírito (amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança), conforme Gálatas 5.22.

Aconselhamos os cristãos piedosos a não dar audiência a páginas e grupos que promovam tais ofensas.

Defendemos e incentivamos a exposição de convicções cristãs, bem como o debate teológico na internet e nas redes sociais, de modo irênico, ou seja, de espírito pacífico (Rm 12.18), com cordialidade e respeito. A discordância e a confrontação das ideias alheias, quando for o caso, devem ser conduzidas com ética, honestidade intelectual e de maneira objetiva, sem denegrir e atacar o oponente.

Asseveramos que a produção teológica é, sobretudo, um ato de glorificação a Deus. Discussões, pois, que se desenvolvem com o único propósito de vencer desavenças intelectuais, baseadas em disputas do ego, estão longe de honrar o nome de Cristo. A determinação bíblica de “falar o que convém à sã doutrina” (Tt 2.1) exige coragem, mas também responsabilidade, para os cristãos em geral e os pastores em particular, os quais devem ser, dentre outras coisas, “irrepreensíveis, honestos, moderados, aptos a ensinar, não contenciosos…” (1 Tm 3.2,3).

Citamos, a propósito, as palavras de J.I. Packer: “Se a nossa teologia não nos reaviva a consciência nem amolece o coração, na verdade endurece a ambos; se não encoraja o compromisso da fé, reforça o desinteresse que é próprio da incredulidade; se deixa de promover a humildade, inevitavelmente nutre o orgulho. Assim, aquele que expõe teologia em público, seja formalmente, no púlpito ou pela imprensa, ou informalmente, em sua poltrona, deve pensar muito sobre o efeito que seus pensamentos terão sobre o povo de Deus e outras pessoas”.

Recomendamos, assim, a importância da constante elevação bíblica e espiritual do nível dos debates teológicos. E caso nos deparemos com um irmão em Cristo com postura inadequada e não condizente com a ética e pratica cristãs, que ele seja repreendido, mas que em tal ato não falte educação e principalmente amor.

Reconhecemos as diferenças marcantes historicamente existentes entre as tradições calvinistas e arminianas, notadamente em referência à doutrina da salvação. Todavia, tais divergências teológicas não suplantam a comunhão cristã que deve haver entre os irmãos dessas duas vertentes da cristandade. Em uníssono, à luz das Escrituras Sagradas, enfatizamos que a salvação somente se alcança em Cristo somente, mediante a graça somente, pela fé somente (Rm 3.24; Ef 2.8; Tt 2.11).

Finalizamos com a menção ao episódio em que o calvinista George Whitefield foi perguntado se esperava ver o arminiano John Wesley nos céus. Sua resposta foi: “Não. John Wesley estará tão perto do Trono da Glória, e eu tão longe, que dificilmente conseguirei dar uma olhadela nele”. Assim se tratam verdadeiros cristãos que discordam em questões de soteriologia, mas que não fazem nada por contenda ou vanglória, e consideram os outros superiores a si mesmos (Fp 2.3). E, sobretudo, estes sabem o preço custoso com que foram comprados por Cristo Jesus.

18 de janeiro de 2016.

Augustus Nicodemus Lopes, pastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia-GO.

Altair Germano, pastor da Assembleia de Deus – Itália, escritor.

Carlos Kleber Maia, pastor da Assembleia de Deus – RN, escritor de obra arminiana.

César Moisés de Carvalho, pastor da Assembleia de Deus, teólogo, escritor.

Ciro Sanches Zibordi, pastor da Assembleia de Deus na Ilha da Conceição em Niterói – RJ, escritor e articulista.

Clóvis José Gonçalves, membro da igreja O Brasil para Cristo e editor do blog Cinco Solas.

Davi Charles Gomes, Chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie-SP.

Euder Faber Guedes Ferreira, pastor, presidente da VINACC (Visão Nacional para a Consciência Cristã).

Solano Portela Neto, presbítero da Igreja Presbiteriana do Brasil, conferencista e autor reformado.

Franklin Ferreira, pastor batista, diretor geral do Seminário Martin Bucer-SP.

Geremias do Couto, pastor da Assembleia de Deus, escritor.

Glauco Barreira Magalhães Filho, pastor batista – CE, professor universitário, escritor.

Gutierres Fernandes Siqueira, membro da Assembleia de Deus – SP, editor do blog Teologia Pentecostal.

Helder Cardin, pastor batista, reitor do Seminário Palavra da Vida-SP.

Jamierson Oliveira, pastor batista, teólogo, escritor.

Jonas Madureira, pastor batista, editor de Edições Vida Nova e professor do Seminário Martin Bucer.

José Gonçalves, pastor da Assembleia de Deus – PI, teólogo, escritor.

Magno Paganelli, pastor da Assembleia de Deus – SP, teólogo, escritor.

Marcos Antônio Moreira Guimarães, professor de teologia, obreiro da Assembleia de Deus – MT.

Mauro Fernando Meister, diretor do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper-SP.

Norma Cristina Braga Venâncio, escritora, membro da Igreja Presbiteriana do Pirangi, Natal-RN.

Paulo Romeiro, pastor, teólogo, escritor.

Renato Vargens, pastor da Igreja Cristã da Aliança de Niterói-RJ.

Solon Diniz Cavalcanti, pastor, teólogo, presidente do CEAB Transcultural.

Thiago Titillo, pastor batista, professor, escritor.

Tiago José dos Santos Filho, pastor batista, editor-chefe da Editora Fiel, diretor pastoral do Seminário Martin Bucer-SP.

Uziel Santana, presidente da Anajure (Associação Nacional de Juristas Evangélicos).

Valdeci do Carmo, obreiro da Assembleia de Deus, teólogo, coordenador do curso de Teologia das Faculdades Feics, Cuiabá/MT.

Valmir Nascimento Milomem Santos, teólogo da Assembleia de Deus, professor universitário, editor da revista Enfoque Teológico.

Wallace Sousa, evangelista da Assembleia de Deus, DF, escritor, pós-graduado em teologia, coordenador da União de Blogueiros Evangélicos.

Wellington Mariano, pastor da Assembleia de Deus, escritor e tradutor de obras arminianas.

Wilson Porte Junior, pastor batista e professor do Seminário Martin Bucer.

Zwinglio Rodrigues, pastor batista, escritor de obra arminiana.

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • Jean Carlo

    Quanta bobagem! ufa

  • Prova cabal de que boa parte da população ainda vive no século XVI, pelo menos mentalmente.