Da Redação JM Notícia

FotorCreated

Com a aprovação, por consenso, da votação online e a derrota do sistema de voto em chapa fechada, os ministros que participaram da 7ª Assembleia Geral Extraordinária da CGADB, que aconteceu neste final de semana em São Paulo, deram uma importante passo na democratização das eleições da maior entidade assembleiana do país.

Histórica e pacífica

Contrariando as expectativas, a maioria dos  ministros que participaram do evento saíram satisfeitos e esperançosos de dias mais harmoniosos para a liderança da AD no país, tendo em vista que com essa nova regra da votação online o número dos “excluídos” do processo eleitoral baixará muito, pois agora qualquer um dos ministros inscritos e em dias com suas obrigações na entidade, poderá votar de qualquer lugar do mundo usando a grande rede.

O primeiro-vice presidente da CGADB, pastor Ival Teodoro, chamou a AGE de “histórica”. Para o pastor Ival é necessário “entender que a convenção também é igreja e que Deus precisa ter liberdade para agir em seu meio”.

O tocantinense pastor Jediel Lima, que também é Conselheiro Fiscal da CGADB/CPAD, detalhou que para que se chegasse a um consenso geral o ponto de partida foi um entendimento entre a Comissão nomeada pela presidência para este fim, e uma equipe de juristas que apoiam o Pr. Samuel Câmara, por consenso, o que obteve apoio de todo o plenário e a aprovação das medidas anteriormente citadas.

VEJA TAMBÉM
Pastor Jônatas Câmara anuncia desligamento da CGADB

Lima disse ainda que o ambiente foi tão pacífico e de paz que ao final, viu alguns pastores chorando de alegria em vivenciar novamente momentos tão agradáveis. “O Pr. José Wellington conduziu os trabalhos com muita sabedoria. Boa parte dos créditos desse momento de paz, credita-se a forma sábia da sua direção“, disse Jediel Lima ao JM Notícia.

Avanço

O pastor Geremias do Couto também comentou sobre o resultado das votações da 7ª AGE. Ele que sempre se preocupou com a polarização tomada pela entidade, chegando ao ponto inclusive de ser um dos nomes mais expressivos na proposta da chamada Terceira Via, que surgiu como uma alternativa de democratizar um pouco mais o processo de escolha da direção da entidade no país, demonstrou ter ficado satisfeito e achou que  “a emenda ficou melhor do que o soneto”.

É democrático e um avanço. Espero que a partir disso se viva um novo clima e a CGADB possa voltar-se para bandeiras que venham honrar o Reino de Deus. Porque de feudos, estamos fartos!”, disse o pastor.

O pastor Antonio Mesquita, do blog Fronteira Final, chamou a escolha pela votação online de avanço e frisou que “essa mudança solucionará um problema até então insolúvel, pois não existem meios e espaços próprios e adequados para abrigar o número de pastores interessados na eleição”.

Jônatas Câmara, pastor presidente da Ceadam, convenção amazonense, também achou a decisão um avanço significativo para escolha do próximo presidente da Convenção. Para ele, este resultado vai permitir os mais de 80 mil pastores, credenciados nas mais de 40 Convenções, escolher seu novo Presidente em 2017, sem sair de casa ou do seu Estado, através da internet, salvo ainda em localidades sem nenhuma possibilidade logística.

FotorCreatedIrmãos Câmara também aprovaram as decisões tomadas na AGE e esperam um futuro mais pacífico na CGADB

O Pr Samuel Câmara, presidente da igreja-mãe e provável candidato na próxima eleição da CGADB, afirmou que a descentralização das “Eleições da Convenção é um marco na história da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, principalmente em relação a dificuldade que existe para reunir um número tão grande de pastores de todo o Brasil em um único lugar“. Agora, como Ele sempre defendeu, existe possibilidade de todos os convencionais participarem da próxima Eleição, pela primeira vez na história da Igreja. 

Nova Regra

Com a escolha pela votação online, todos os que forem credenciados e estiverem em dia com sua anuidade junto à CGADB poderão votar pela internet. A entidade contratará, vias regrais legais e de fiscalização, uma empresa para gerenciar o processo eleitoral. O acesso será pelo site e as instruções deverão publicadas posteriormente para orientar o acesso.

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.