campelor
Amastha manda suspender contrato após apontamentos de irregularidades de Campelo

Fiscalizar os gastos públicos para garantir que a sua aplicação esteja de acordo com os interesses coletivos é uma das obrigações de um vereador, e Lúcio Campelo tem se destacado na atual legislatura. São várias as denúncias e questionamentos sobre contratações sem licitação,  desvios de finalidades e irregularidades nos pagamentos, que o parlamentar tem feito contra a administração municipal. A contratação da empresa J M A Souza-ME foi mais uma delas, e levou a Prefeitura de Palmas a rescindir o contrato.

Foi publicado no Diário Oficial do Município, nesta quarta-feira, 26, o Extrato do Termo de Distrato do contrato de prestação de serviço, no valor de R$ 300 mil, para contratação de shows do “Palmas Capital da Fé”. A empresa tinha sido contratada com dispensa de licitação, ó proprietário era ex-servidor da Agência de Turismo e ia contratar Lorena Rosa, que é esposa de Maciel, e não tem nenhuma projeção no meio artístico, em detrimento de vários artistas com reconhecimento estadual e nacional. “Esse contrato e a forma de atuação do empresário foi motivo de constrangimento no meio evangélico. Ainda bem que o nosso trabalho de fiscalização deu resultado“, afirma Campelo.
Na tribuna da Câmara Municipal de Palmas, foram várias as denúncias feitas por Campelo contra a atual administração: contrato e prestação de contas do estacionamento rotativo; decoração natalina; situação crítica na Educação; Contratos da Fundesportes; compra excessiva e sub-preço em produtos para a CCZ; as irregularidades nos Jogos Mundiais Indígenas; falta de medicamentos e profissionais nos Postos de Saúde; licitação do BRT, entre outros.
“O prefeito Carlos Amastha é contumaz nas irregularidades em licitações, desvio de finalidades e na falta de compromisso com a população palmense”, define o parlamentar. (Ascom vereador)

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.