alto
Assembleia Legislativa inicia ano legislativo Foto: Clayton Cristus

O equilíbrio das contas públicas, a redução de despesas e a reorganização da máquina administrativa são os principais propósitos que constam na Mensagem do Governador Marcelo Miranda (PMDB), enviada à Assembleia Legislativa. O documento foi lido pelo secretário-chefe da Casa Civil, Télio Leão Ayres, na primeira sessão ordinária do ano ocorrida na manhã desta terça-feira, dia 02.

O governador lembra aos parlamentares para um nítido cenários de desaceleração do crescimento econômico mundial que acaba afetando países e estados. No entanto,  vislumbra um desenvolvimento sustentável e gradual da economia tocantinense, baseado na estabilização da política fiscal e expansão dos investimentos.

Ele aponta que sua gestão recebeu o estado com um cenário de desajustes entre receitas e despesas, devido a diversos compromissos financeiros contraídos e não honrados. De acordo com o documento, o desembolso chegou a R$ 700 milhões de dívidas herdadas. Marcelo  Miranda afirma que a Lei de Responsabilidade Fiscal  (LRF) obriga o governante a transmitir ao sucessor as finanças públicas em completa ordem.

VEJA TAMBÉM
Governo anuncia convocações, mas déficit de escrivães vai continuar, diz comissão

Entre os problemas em destaque está a saúde, que o governador considera grave, mas diz  que está focado em reparar os danos herdados e que serão feitos todos os esforços para implantar um atendimento digno e satisfatório para a população. Também promete  recuperar os investimentos  subtraídos do Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Tocantins – IGEPREV.

Ao concluir, o governador lembrou que em um ano houve mais avanços do que retrocesso em sua administração. Neste sentido, ele cita ações como o Salão do Livro, Agrotins, Agenda Estratégica do Estado do Tocantins, Contratos de Operação de Crédito, Fórum Permanente dos Governadores, projeto Matopiba, entre outros. (Penaforte)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.