Estreou em janeiro a 16ª edição do Big Brother Brasil (BBB), o reality show que gera amor e ódio entre os telespectadores brasileiros.

Através de sua conta no Twitter o pastor Silas Malafaia criticou o programa da Rede Globo e, principalmente, os cristãos que assistem ao reality.

silas

“Um verdadeiro cristão que assiste o lixo moral chamado BBB, precisa se converter novamente, está completamente afastado dos valores cristãos.”

Para o religioso, o Big Brother Brasil é o programa mais baixo e imoral da TV brasileira. “Não existe na TV brasileira algo tão baixo, imoral, ridículo, de um bando de alienados como o BBB”.

Na crítica, Malafaia falou ainda diretamente para a emissora carioca, acusando-a de promover a destruição dos valores morais. “A decadência moral de um povo, é o sinal da sua destruição. A Rede Globo é o maior veículo de destruição dos valores morais. Uma vergonha.”

As mensagens foram escritas nesta quarta-feira (4) e o pastor se mostrava incrédulo com o que via na TV, chegando a ironizar uma das falas do apresentador Pedro Bial. “Inacreditável! Ver Pedro Bial chamando esse bando de alienados do BBB de heróis. Uma afronta ao povo brasileiro, heróis de todo dia.” (Gospel Prime)

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • Wilker Lira

    E quando é que vc vai se converter, seu Silas?

  • Fernando Oliveira

    o que é a amizade íntima? receber alguém em minha casa? ter um melhor amigo? Silas malafaia não fala coisa com coisa e não tem fundamento bíblico para tais coisas. quem precisa se converter é quem prega contra o homossexualismo de forma violenta, ao invés de trazer as pessoas por amor como Jesus fazia, afugenta quem está precisando de Deus. Paulo pregava justamente o contrário que Silas prega, ele não afugentava pecadores, ele os amava e os atraía da forma correta, com BOM TESTEMUNHO, não vejo bons testemunhos deste homem que se intitula pastor.

    http://noticias.gospelmais.com.br/silas-malafaia-cristao-nao-deve-amizade-incredulos-48312.html