libia (1)
Líbia entra para o Top 10 da Classificação da Perseguição Religiosa

No ano de 2015, a Líbia foi praticamente esquecida pelo mundo e quase não apareceu nos noticiários, mas, pela primeira vez, entrou para o Top 10 da Classificação da Perseguição Religiosa. Esse é o tipo de notícia que não pode deixar de ser dada, em especial para os cristãos. A Líbia é um Estado sem leis, dividido em três regiões e com filiais do Estado Islâmico, que está ganhando territórios rapidamente.

No ano passado, o país abriu suas portas para receber pessoas de outros países, ao mesmo tempo em que intensificou a sua intolerância em relação às outras religiões, impondo o islã a todos, fazendo isto com violência, principalmente com a minoria cristã. A pequena igreja de ex-muçulmanos convertidos sobrevive a duras penas, sendo constantemente vigiada, interrogada e invadida. Os imigrantes cristãos, em particular do Sudão e Eritreia, também são alvo de perseguição no país. Dezenas deles foram mortos em cenas de decapitação filmadas e distribuídas pela internet.

O cenário libanês não é bom para o cristianismo, além do extremismo islâmico, há muita corrupção, problemas políticos e o crime organizado. Todos esses problemas estão associados à lei sharia. O país ainda está se recuperando da guerra e da revolução popular. A Portas Abertas atua na Líbia por meio de distribuição de Bíblias, treinamentos para líderes e discipulado, além da realização de pesquisas, apoio jurídico e muitas orações. Faça parte desse trabalho e ajude-os em oração.

VEJA TAMBÉM
Jovens cristãos são alvo de sequestro

Pedidos de oração

– Ore pelos cristãos libaneses, para que sejam fortalecidos através da Palavra.

– Peça ao Senhor para que poupe suas vidas em caso de ataques e para que eles sejam estratégicos enquanto estiverem reunidos.

– Ore pela situação do país e para que seus governantes sejam tocados pelo Espírito Santo, a fim de que sejam mais flexíveis. Portas Abertas Internacional

COMPARTILHAR

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.