Por Katiuscia Gonzaga

Na abertura dos trabalhos legislativos de 2016, que aconteceu nesta quinta-feira, 11, na Câmara de Palmas, o vereador pastor João Campos (PSC) pediu através de requerimento, que seja suspensa a distribuição dos livros didáticos selecionados pelo MEC/FNDE 2016, por ‘estarem em desacordo com o Plano Municipal de Educação de Palmas.

De acordo com João Campos, o MEC está descumprindo o Plano Nacional de Educação, pois recepcionou dentre os livros didáticos para a primeira fase do Ensino Fundamental, materiais contendo a abordagem de educação moral e sexual segundo a perspectiva da chamada “ideologia de gênero”.

DSC_9771

Na justificativa o vereador declara que crianças de escolas públicas e privadas que estudarem com os livros didáticos/2016, do MEC, para a primeira fase do Ensino Fundamental, serão informadas sobre arranjos familiares de gays e lésbicas, com adoção de filhos. ‘Elas tomarão conhecimento também de bigamia, poligamia, bissexualismo e transsexualismo. Aprenderão a observar melhor os próprios corpos e os corpos dos outros por intermédio de exercícios em sala de aula, orientados pelo livro didático’, apontou.

A ministração dos conteúdos seria para alunos do 1º ano, com 6 anos de idade e, numa gradação de complexidade, estende-se ao 5º ano, quando os alunos têm 10 anos.

Para João Campos é preciso suspender a remessa dos livros didáticos que estejam eivados do vício da referida abordagem pedagógica às escolas municipais de Palmas, requerendo que fiquem suspensos os livros supra e os demais que tiverem conteúdo similar. ‘Cada cidade deveria “suspender” a distribuição dos livros e se certificar que fossem liberados apenas os que não tiverem essa ideologia.’

VEJA TAMBÉM
Em Aracaju (SE), Dilma critica 'Escola sem partido' e diz que Temer tem pauta ultraconservadora

PME aprovado sem Ideologia de Gênero

O Plano Municipal de Educação foi aprovado no final de 2015. Se trata de um documento que norteará as diretrizes do setor educacional por um período de dez anos, seguindo a orientação do Plano Nacional de Educação

O vereador pastor João Campos foi o relator do projeto. ‘Exerci constante cobrança para remessa do plano à Câmara. Apresentei 14 consideráveis emendas, todas aprovadas. Exerci vigilância e aprovamos com apoio de todos os demais vereadores, sem a ideologia de gênero’, ponderou o vereador.

No total, 54 emendas de parlamentares foram acrescentadas ao PL, enviado à Câmara pelo Executivo. Preocupado com a possibilidade de o texto deixar brechas para a abordagem da “ideologia de gênero” nas escolas, o vereador pastor João Campos (PSC) capitaneou e apresentou 14 emendas.

João Campos esclareceu que uma grande preocupação era a de que o plano decenal fosse utilizado para os fins de aparelhamento ideológico nas escolas, em clara afronta ao princípio da isonomia. Esta questão ocupou boa parte dos debates nacionais sobre o plano e chegou ao Tocantins, sobre a inclusão, como um dos princípios orientadores do plano, a teoria de gênero. A “Teoria de Gênero” (chamada de ideologia por ser uma teoria fundada apenas em bases teóricas) afirma que ninguém nasce homem ou mulher e que o gênero é uma construção social e cultural. Para os defensores desta teoria, uma criança não pode ser considerada do sexo masculino ou feminino, mas somente uma pessoa do gênero humano.

VEJA TAMBÉM
Justiça Federal suspende liberação de recursos para construção do BRT Centro

O plano foi aprovado sem a inclusão da ideologia. Na ocasião, Campos agradeceu o apoio dos demais vereadores de Palmas, equipe técnica, líderes religiosos e todos que contribuíram com o PME. O parlamentar também colaborou com os planos de educação de diversos municípios do Tocantins.

Projeto Escola Sem Partido

O vereador pastor João Campos (PSC), também já solicitou através de Projeto de Lei, a inclusão do Programa Escola sem Partido no sistema de ensino municipal. Para ele, a doutrinação política e ideológica em sala de aula ofende a liberdade de consciência do estudante; afronta o princípio da neutralidade política e ideológica do Estado; e ameaça o próprio regime democrático, na medida em que instrumentaliza o sistema de ensino com o objetivo de difundir uma determinada posição.

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.