estado-islamicoA Terceira Guerra Mundial é iminente e será causada pelo Estado Islâmico. Essa é a opinião do escritor e teólogo Michael D. Fortner, a partir de sua análise de passagens do Apocalipse.

De acordo com Fortner, a Bíblia alerta para o surgimento do grupo extremista Estado Islâmico, e cita os versículos 14 e 15 do capítulo 9 do livro das Revelações como base: “A qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: ‘Solta os quatro anjos, que estão presos junto ao grande rio Eufrates’. E foram soltos os quatro anjos, que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens”.

Atualmente, os cristãos são, em número, um pouco mais de um terço da população mundial, de acordo com o Pew Research Center.

Para o teólogo, essa revelação dá indícios bastante objetivos sobre a Terceira Guerra, apontando o rio Eufrates – que nasce na Turquia e se estende por Iraque e Síria – como a região de onde surgirá um dos maiores inimigos da cristandade.

“Metade das cidades que o Estado Islâmico tomou são, literalmente, no rio Eufrates. Eles formaram um califado, que é o primeiro passo para o ressurgimento de seu império islâmico”, explicou Fortner.

VEJA TAMBÉM
Líbia entra para o Top 10 da Classificação da Perseguição Religiosa

Ele ainda pontuou que o que acontece atualmente nos dois países onde os extremistas se instalaram já é uma guerra, que poderá se expandir e ganhar escala intercontinental: “O que está acontecendo na Síria e no Iraque não é simplesmente uma outra guerra que irá crescer e se tornar a Terceira Guerra Mundial. Se você olhar para o mapa das cidades tomadas pelo Estado Islâmico, você vai ver algo muito representativo: o significado de Apocalipse 9”.

Rumores de guerra

Na última quinta-feira, 11 de fevereiro, os países que formam a coalizão internacional para combater o Estado Islâmico, liderados pelos Estados Unidos, decidiram intensificar as ações na Síria e Iraque para combater o grupo extremista/terrorista.

“Decidimos acelerar a campanha […] Os objetivos são derrotar primeiro o tumor do Estado Islâmico no Iraque e na Síria, […] combater suas metástases […e] proteger nossas nações”, afirmou Ashton Carter, secretário de Defesa dos Estados Unidos.

A partir disso, e seguindo a mesma linha do teólogo Fortner, mas por um viés mais analítico, o primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, afirmou que uma ofensiva terrestre na Síria poderá resultar em “uma nova guerra mundial”.

A Rússia é aliada da Síria, e vem combatendo o Estado Islâmico no país, assim como os grupos rebeldes que tentam derrubar o presidente Bashar al-Assad, visto como ditador pelos Estados Unidos, que querem sua retirada do poder, o que coloca as duas potências nucleares em lados opostos na mesa de negociações.

VEJA TAMBÉM
Exército dos EUA mata chefe do Estado Islâmico no Afeganistão

“As ofensivas terrestres geralmente resultam em uma guerra que acaba sendo permanente […] Todas as partes devem sentar-se à mesa de negociações ao invés de desencadear uma nova guerra mundial. […] Os americanos e nossos parceiros árabes precisam pensar muito sobre isto. Eles querem uma guerra permanente?”, questionou, lembrando que “no mundo árabe… todo mundo combate todo mundo… Tudo é muito mais complicado. Pode levar anos ou décadas [para o problema ser resolvido]”, concluiu. Com informações Gospel Mais