Deputado federal licenciado, Teixeira é fundador da igreja evangélica Projeto Nova Vida e diz que foi convidado para assumir a secretaria "com essas convicções"(Reprodução/VEJA)
Deputado federal, Pastor Teixeira é fundador da igreja evangélica Projeto Nova Vida (Reprodução/VEJA)

Rio – O deputado Federal e pastor Ezequiel Teixeira (RJ) está sofrendo uma verdadeira perseguição religiosa, após defender tratamento para homossexuais, ou a chamada cura gay. “Eu não creio só na cura gay, não. Creio na cura do câncer, na cura da Aids… Sabe por quê? Porque eu sou fruto de um milagre de Deus”, disse Ezequiel, a um veículo de comunicação. O pastor disse se sentir vítima de intolerância, por ser identificado apenas como pastor.

Luiz Fernando Pezão (PMDB), Governador do Rio de Janeiro, criticou a fala de Ezequiel Teixeira e foi categórico ao afirmar que não compartilhava das opiniões do secretário. “Não é o meu posicionamento, eu sou totalmente contra a posição dele. Vou tomar providências. Coloco aqui a minha insatisfação com as declarações dele”, disse o governador

Após ser exonerado pelo governador Pezão do Rio, a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro entrou nesta última sexta-feira, com ação de reparação de danos morais coletivos contra o ex-secretário estadual de Direitos Humanos, o pastor Ezequiel Teixeira.

VEJA TAMBÉM
Ação do PSDB para derrubar pacotaço de impostos do Estado tem mais 2 votos favoráveis no TJ

A instituição pede indenização no valor de R$ 1 milhão a ser revertida em ações de promoção dos direitos da população LGBT no âmbito da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos.

A Defensoria pede ainda, que o pastor publique um texto informativo do órgão, esclarecendo sobre os direitos da população LGBT. Caso ele descumpra a decisão, deverá pagar multa diária de R$ 10 mil.

Para o coordenador do programa Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento, subordinado a Ezequiel até a última quarta-feira, a medida da Defensoria ameniza o dano sofrido pela comunidade LGBT.  “Ele falou que os gays são doentes e isso geral um dano moral, uma ofensa, uma humilhação enorme. A comunidade homossexual se sentiu muito ofendida. Foi uma posição extremamente discriminatória e vexatória”, definiu.

Segundo Luciano Costa, a Defensoria que calar o direito de opinião do deputado e pastor: “Agora, não temos mais o direito de achar ou criticar algo que seremos processados? Cadê o direito à livre expressão garantida na Constituição Federal”?

Pastor Ezequiel Teixeira, Deputado federal,  é fundador da igreja evangélica Projeto Nova Vida. Com informações  O Dia via JM Notícia 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.