Vereador Pastor João Campos (PSC)
Vereador Pastor João Campos (PSC)

Diversas lideranças e  uma extensa presença da comunidade evangélica e católica lotaram o plenário da Câmara de Palmas durante a manhã desta terça-feira, 23. A intenção era pressionar os vereadores para a suspensão dos  livros didáticos, por conterem ideologia de gênero.

 
O requerimento pedindo a suspensão da distribuição dos livros foi apresentado pelo vereador pastor João Campos (PSC). O conteúdo do MEC/ 2016, para alunos  do 1º ao 5º ano, com idade entre 6 e 10 anos estaria em desacordo com o Plano Nacional de Educação.
 
Logo no início da sessão, o autor do requerimento pediu a colaboração dos demais vereadores no sentido de aprovar a solicitação e lembrou que as cidades de Goiânia (GO), Araguaína (TO) e Ariquemes  (RO), já rejeitaram os livros com o mesmo conteúdo.
 
“Esse material didático está sendo distribuído no país, além de falar sobre ideologia de gênero fala de assuntos inapropriados para a crianças, que não tem a maturidade para discutir determinados temas. Fere o estatuto da criança e adolescentes, levando para crianças questões morais que devem ser discutidas no seio da família“, pontuou pastor João Campos.
 
Os parlamentares, depois de alguns discursos com críticas veementes contra o conteúdo dos livros,  aprovaram o requerimento por unanimidade. Entre os que votaram a favor, consta os vereadores Claudemir Portugal, Etinho Nordeste, vereador Joel Borges, Lúcio Campelo, Milton Neris, entre outros.
 
Pastor da Igreja Evangélica Assembleia de Deus Madureira, Silvio Machado, que esteve presente na sessão,  disse ver o momento como algo de extrema importância, de luta pela preservação da família. “O governo precisa trabalhar em outras áreas, investir no que é necessário para o bem da família e nação”, disse.

 

VEJA TAMBÉM
Em Palmas, contratos de painéis de trânsito podem ser cancelados a pedido dos Ministérios Públicos Estadual e de Contas
Ap. Sérgio Paulo Guimarães, líder do CIMETO
Ap. Sérgio Paulo Guimarães, líder do CIMETO

 O apóstolo Sérgio Paulo, líder da Igreja Internacional da Renovação e presidente do Conselho Interdenominacional dos Ministros do Evangelho do Tocantins (CIMETO), concorda que a educação moral e sexual das crianças seja responsabilidade da família.

“Nossos filhos não podem ser induzidos a uma ideologia. Hedonismo não tem haver com a pátria que é cristã, nossa moral e ética é a palavra de Deus. Uma minoria quer enfiar guela abaixo, ensinar nossos filhos coisas que eles creem. Quero dizer que estou defendendo a família e vamos fazer tudo para que isso aconteça. Começou agora algo que estou assumindo no Tocantins, uma luta muito forte para que isso não aconteça.”

 

 

CREATOR: gd-jpeg v1.0 (using IJG JPEG v80), quality = 100
Rodrigo Moraes, líder do Movimento Conservador do TO

Representantes do Movimento Conservador do Tocantins acompanharam a votação e ao final comemoraram o resultado. O presidente do movimento, Rodrigo Morais, destacou a “importância da aprovação deste requerimento, pois o mesmo faz cumprir o Plano Nacional de Educação que rejeitou a ideologia de gênero, bem como o Pacto de San Jose que, em seu artigo 12, que determina ser direito dos pais, segundo as suas convicções, a educação moral dos filhos. Nossa luta é contra a intromissão estatal na educação moral de crianças”, finalizou.

Ao final da sessão, o vereador pastor João Campos agradeceu o apoio dos vereadores e do público presente. ‘A luta continua, vamos mobilizar as famílias’, finalizou.

VEJA TAMBÉM
Amastha entra com ação contra Campelo e pede R$ 100 mil de indenização

Tocantins – As Câmaras Municipais de Araguaína e Gurupi já aprovaram requerimento no mesmo sentindo, solicitando a não entrega dos referidos livros que contém, segundo eles, materiais impróprios para crianças de 6 anos de idade.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.