Da Redação JM Notícia

MPE 2
(Foto: Ronaldo Mitt) MPE pediu indeferimento do pedido de liberdade provisória do auxiliar de serviços gerais Múcio Silva Lima, acusado de assassinar o comerciante João Raimundo da Silva.

O Ministério Público Estadual (MPE) ofereceu denúncia e pediu o indeferimento do pedido de liberdade provisória do auxiliar de serviços gerais Múcio Silva Lima, acusado de assassinar o comerciante João Raimundo da Silva, conhecido como João do Coco Verde, de 63 anos, na cidade de Araguaína. O crime aconteceu em fevereiro deste ano e gerou grande repercussão na cidade.

 Segundo a denúncia, ajuizada nesta quinta-feira, 3, pelo Promotor de Justiça Leonardo Blanck, o acusado teria facilitado e induzido o adolescente Thiago Dias Schimit a diversos crimes, incluindo o assalto, cuja violência empregada causou a morte do comerciante.

Na denúncia, ainda são citados outros crimes cometidos pela dupla. No dia 19 de fevereiro, eles teriam realizado dois roubos contra Poliana Barbosa Pereira Rodrigues e seu esposo, de quem eles, mediante violência e uso de arma de fogo, teriam subtraído uma moto e dois aparelhos celulares. Os dois também teriam, na mesma ocasião em que praticaram o latrocínio contra João Raimundo, roubado Ronaldo Dias da Silva e Robson Carlos de Araújo.

VEJA TAMBÉM
MPE presta orientações aos consumidores lesados pela empresa Aliança Online

Na denúncia, o MPE demonstra a materialidade e aponta que a autoria recai sobre Múcio Lima, estando evidenciada a necessidade da decretação de sua custódia cautelar.

O Promotor de Justiça ainda requer o indeferimento do pedido de liberdade provisória do acusado devido à periculosidade do mesmo e à gravidade e repercussão social do crime. “A ordem pública está visivelmente afetada, por se tratar de agente extremamente violento e de reiterada conduta criminosa, vez que em menos de uma semana praticou roubos, latrocínio e corrupção de menor”, enfatiza o membro do MPE.

Ascom- Daiane Fernandes

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.