Da Redação JM Notícia

O senador Ataídes Oliveira: "Brasil pagou R$ 501 bilhões de juros da dívida no ano passado" Marcos Oliveira/Agência Senado
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado. Senador Ataídes Oliveira (PSDB)

Com a experiência de quem conduziu, no Congresso, a CPI do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), o senador Ataídes Oliveira (PSDB) afirmou na manhã desta sexta-feira, 4, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, alvo de ação da Polícia Federal em sua casa, em São Bernardo do Campo (SP), deve mais explicações.

“Nesse momento conturbado da política do país e até de descrença com a classe política, a ação da Polícia Federal é mais uma prova que mostra que ninguém está acima da lei. O ex-presidente Lula deve muitas explicações ao país, não só relacionadas às questões do sítio em Atibaia ou sobre o triplex no Guarujá”, afirmou o senador.

Ao citar Lula em seu comentário, o senador Ataídes Oliveira se refere ao fato do surgimento de novas informações relacionadas a uma possível pressão de Lula sobre a apuração da CPI do Carf, que teve seu relatório final aprovado em dezembro e que pediu o indiciamento de 28 pessoas.

VEJA TAMBÉM
Polícia Federal indicia Lula em inquérito sobre tríplex

A CPI presidida por Ataídes foi criada para apurar manipulação em julgamentos do Carf para faverecer empresas investigadas por crimes contra a Receita Federal. Estima-se prejuízos de R$ 19 bilhões com as falcatruas. O estopim para a criação da comissão foi a operação Zelotes, da PF, que investigou esquema de sonegação fiscal. Na época, a ação da PF mirou em, entre outras pessoas, no filho do ex-presidente Lula, Luís Cláudio, e de ex-ministros do governo PT Gilberto Carvalho (braço direito de Lula em suas gestões) e Erenice Guerra, de confiança da presidente Dilma Rousseff.

Uma suspeita que surgiu durante a apuração da CPI do Carf foi a negociação de Medidas Provisórias durante a gestão Lula para beneficiar lobistas e inclusive negócios de seus filhos, Luís Cláudio e Fábio Luiz, que teriam recebido repasses de alvos da operação Zelotes. À época, Lula teria agido para evitar que seu filho fosse convocado a depor.

“A ação da PF hoje que tem alvo contra Lula terá reflexos diretos na gestão do desgoverno da presidente Dilma Rousseff, que não tem mais credibilidade e muito menos moral para seguir à frente do comando do país. Isso é fato. Entretanto, analiso aqui, de forma serena, a necessidade de haver desdobramentos da apuração de outros fatos relacionados ao ex-presidente Lula. Há muito o que apurar e, ao se comprovar culpa, que sejam todos punidos”, finalizou.

VEJA TAMBÉM
Ataídes quer prioridade para BR 242

Ascom

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.