Vereador Pastor João Campos
Vereador Pastor João Campos (PSC)

Ao utilizar a tribuna durante a manhã desta terça-feira, 1º de março, o vereador pastor João Campos (PSC) repercutiu a decisão unânime do Tribunal de Justiça que negou liminar ao Ministério Público Estadual que pedia a suspensão da eficácia da Lei Complementar nº 84, de 13 de maio de 2004 (LC 84/04), que regula a concessão de direito real de uso de áreas públicas municipais de Palmas.

Além da suspensão da eficácia da lei, o MP pedia, na liminar, que o município se abstivesse de qualquer concessão fundada na lei questionada, além do embargo de todas as construções, reformas e ampliações já realizadas ou em andamento nos imóveis concedidos até decisão final da ação.

Na decisão do dia 12 de fevereiro, o Tribunal Pleno acompanhou o voto da relatora, juíza Edilene Pereira de Amorim Alfaix Natário, em substituição ao desembargador Helvécio de Brito Maia Neto.

Pastor João Campos destacou que para embasar a não concessão da liminar a relatora observou em seu voto, que a Lei Complementar nº 84/2004 está em vigor há 11 anos, desde 13 de maio de 2004, sendo que a ação foi ajuizada em 5 de março de 2015. De acordo com a relatora; “circunstância que, a princípio, desautoriza o reconhecimento de situação configuradora de periculum in mora, em face do considerável lapso temporal decorrido.”

VEJA TAMBÉM
MPE quer que Energisa suspenda cobrança de ICMS sobre tarifas de transmissão de energia elétrica no TO

O vereador pastor João Campos comemorou a decisão e declarou que agora é preciso aguardar julgamento do mérito. “O Ministério Público questionou a lei e agora o Tribunal de Justiça negou a liminar. Sempre entendi que jamais seria concedido liminar nesse sentido e sempre defendi que se deveria aguardar esse resultado. Certamente as entidades serão beneficiadas”, pontuou.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.