aptopix-islamic-state_fran

De acordo com informações da BBC News e do The Guardian, no dia 15 de fevereiro, o Conselho Presidencial Internacional da Líbia, propôs um novo gabinete para reunir as lideranças rivais que estão atualmente competindo pela supremacia no país. O conselho enviou uma lista com os nomes de vários ministros para o parlamento líbio, que é reconhecido internacionalmente e que se baseia através das ideias orientais da Líbia. O plano é apoiado pela ONU e pela comunidade internacional.

Também foi relatado, nas últimas duas semanas, que Estado Islâmico (EI) tem aumentado sua presença na Líbia. A BBC News noticiou que os comandantes do EI estão em busca de refúgio e que o número de combatentes no país está crescendo desde então. “Desde o fim do regime de Gaddafi, a região do Magrebe tem vivido um verdadeiro caos. Os acordos que o governo tem feito não garante a lealdade das facções rivais, por outro lado, a ausência de um governo unificado e forte criou um vácuo nessa nação, que é preenchido pela insegurança dos cidadãos”, comenta um dos analistas de perseguição.

VEJA TAMBÉM
Teólogo defende que cristãos não podem ser contra Israel

Ele também explica que é muito provável que a Líbia, que é o 10º país da Classificação da Perseguição Religiosa, tome a frente na guerra contra o EI. “A luta contra esse grupo extremista não será fácil e ela representa um enorme risco para a estabilidade do país e também para a segurança de todas as nações que estão envolvidas. Para os cristãos então, que estão sendo atacados com brutalidade, a situação vai ficar mais tensa, e para aqueles que conseguem fugir, a extrema pobreza é uma das piores consequências que estão vivendo”, diz o analista. Mesmo assim, debaixo de tantos problemas, perseguição e conflitos, os cristãos líbios perseveram e glorificam a Deus através de sua luta espiritual, para que Jesus seja conhecido entre eles. Ore por essa nação. Com informações Portas Abertas

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.