Ideologia Camara
(Divulgação) Populosos e religiosos reivindicaram contra ideologia de gênero no Plano Municipal de Educação.

Da Redação JM Notícia

A Medida Provisória n° 06, que decretou a vedação da utilização do termo  ideologia de gênero e altera a Meta  5, das estratégias   5.24  5.26, do Plano Municipal de Educação, foi definitivamente aprovada nesta terça- feira, 23, na Câmara Municipal.

A MP foi publicada pelo prefeito Amastha, após o assunto ganhar grande proporção em discussão na sociedade e no plenário, como medida para solucionar a questão, depois de conversa entre base aliada e oposição, e depois do prefeito ter vetado as emendas que pedem a alteração do termo no PME.

Populosos e líderes religiosos, da igreja católica e evangélica, reivindicaram na Câmara, durante as sessões que tratavam do assunto, para que o termo fosse tirado do Plano. Os vetos do prefeito permaneceram, mas a MP, enfim, virou lei.

joaocampos
(Divulgação) Vereador Pastor João Campos (PSC).

Sobre a aprovação da MP, o vereador Pastor João Campos (PSC) comentou: “MP foi uma reivindicação dos religiosos de Palmas, porque o PME, enviado pelo Sr. Prefeito, tinha ideologia de gênero, e prejudicava a comunidade, as famílias, e principalmente as crianças. Como ele vetou e ele tinha a maioria na Câmara, nós colocamos o pé na parede e chamamos as lideranças religiosas para uma conversa. Essas lideranças e nós fomos ao prefeito, que então, resolveu editar uma MP redirecionando o assunto, ou seja, proibindo a ideologia de gênero nas escolas, até porque o MEC fez uma série de livros inadequados, com ideologia de gênero, e isso já foi distribuído nas escolas. Nós aprovamos um requerimento pedindo para que esse material não fosse distribuído, mas a Secretaria de Educação se recusou a retirar os livros, baseando em que não tinha instrumento legal para isso. Mas agora, com a Medida Provisória, transformada em lei, morre-se o assunto. A MP é um instrumento provisório que pode ser derrubado a qualquer hora, mas hoje é lei, o prefeito certamente irá sancionar dentro do prazo legal, e esse assunto está normatizado em Palmas. Quem ganhou foi a comunidade cristã, as famílias, as crianças”.

VEJA TAMBÉM
Comerciantes de Taquaralto entram na justiça para embargar shopping a céu aberto, diz Neris

OAB e Defensoria Pública

Na última sexta-feira, 18, a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Tocantins (OAB-TO) enviou um ofício à prefeitura pedindo a justificativa da MP, os motivos que levaram o prefeito a publicar tal medida, e solicitando, ainda, para análise, a cópia do material didático escolar que foi proibido de ser entregue. A OAB deu o prazo de cinco dias, a partir da data do ofício, para que a prefeitura respondesse. Segundo a assessoria de comunicação do órgão, a OAB só deve se posicionar sobre o assunto após ter analisado o material, e após tomar conhecimento dos motivos que levaram o prefeito a publicar a medida provisória. A assessoria informou ainda que, devido às reivindicações e manifestações, a entidade resolveu requerer sobre o assunto à prefeitura.

A Defensoria Pública também fez a mesma solicitação à prefeitura, sob o mesmo prazo, de cinco dias, para resposta. O órgão já havia, anteriormente, comunicado a indignação pelas emendas do Pr. João Campos, que pedem a alteração do termo ideologia, e pela decisão da prefeitura. Para a Defensoria, a retirada desses materiais  “não contribui para uma melhor compreensão e esclarecimento”, fazendo com que aumente “os status de tabus”. “Mantém crianças no desconhecimento, já que não possibilitam uma segunda visão capaz de gerar respeito para com situações ‘diferentes”.

VEJA TAMBÉM
Deputado Wanderlei Barbosa se encontra com lideranças do PRB

Sobre a reação das entidades públicas, Pastor João Campos afirmou: “Como o assunto gerou polêmica, nós estamos ouvindo conversas relacionadas à Defensoria, a OAB e outras organizações, dizendo que vão provocar na justiça o teor dessa Lei. Nós não sabemos o que vai acontecer, mas eu acredito que ela não será derrubada. Até entendo que eles vão provocar uma discussão e verificar o teor da matéria e, provavelmente, nem arguir judicialmente vai acontecer. Pela polêmica, alguns grupos, de forma isolada, estão dizendo que vão para a justiça, mas não acredito que vá, depois que eles fizerem as reflexões necessárias. Ontem estive na OAB, e conversamos com o presidente, que disse que  vai analisar o material com cuidado primeiramente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.