iraja-abreu-22-03-2016
(Divulgação) Deputado Irajá Abreu.

O anúncio do presidente da comissão especial que analisa o processo de impeachment da Presidente da República, deputado Rogério Rosso (DF), de que novas denúncias não serão acrescentadas à peça original do processo gerou, nesta terça-feira (22), discussões entre deputados. A determinação de Rosso teve como base a decisão do relator do processo, deputado Jovair Arantes (PTB-GO).

Ficou definido que citações sobre a presidente em delações premiadas, por exemplo, não serão levadas em consideração. O colegiado deverá se debruçar apenas ao que diz respeito à improbidade administrativa – prevista na Lei de Responsabilidade Fiscal – supostamente cometida pela presidente entre os anos de 2014 e 2015.

“Está elucidado que nas próximas reuniões novas acusações não serão um obstáculo para o bom andamento no processo dentro da comissão”, declarou o deputado Irajá Abreu (TO). O parlamentar reforçou que, desta forma, “o debate pode fluir e a votação da admissibilidade do processo, ou não, também poderá ser feita de forma célere”.  Ele lembrou ainda que a comissão é apenas uma das etapas do processo, “depois o plenário terá a atribuição de referendar o relatório da comissão”.

VEJA TAMBÉM
3 profecias sobre a corrupção no Brasil voltam a circular nas redes sociais

Como funcionará

A comissão ainda realizará oitivas com testemunhas de acusação e defesa. Ao final, o relator apresentará o parecer para que seja admitido pelo colegiado. Em seguida, o documento seguirá para análise dos deputados e, no plenário, em votação aberta, precisará da aprovação de 342 parlamentares para então seguir para apreciação no Senado.

Ascom Câmara

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.