884340400-biblia-gideoes-internacional

O projeto “A Bíblia em cada casa”, coordenado pela organização Jovens com uma missão (Jocum) e pela Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), pretende alcançar os mais de 5 mil municípios brasileiros, colocando uma bíblia em cada casa até 2050.

O movimento surgiu como uma resposta para aquelas pessoas que há muito tempo pensam em entregar uma Bíblia às famílias de sua cidade. Segundo Mário Rost, gerente de Desenvolvimento Institucional e coordenador do movimento pela SBB, foram preparadas estratégias de distribuição que envolvem pessoas e igrejas de todos os lugares do Brasil.

“A entrega da Bíblia para cada casa só acontecerá pela ampla cooperação das igrejas e dos cristãos individualmente. Temos a expectativa de ter líderes de todas as denominações cristãs transmitindo o desejo de que a Bíblia esteja nas casas de municípios inteiros, ou em bairros inteiros de grandes cidades”, frisa Rost.

A estratégia é envolver as igrejas e cristãos na distribuição da Bíblia a lares de municípios de médio e pequeno porte ou bairros inteiros de grandes cidades em uma ação bem articulada. Outras organizações também poderão desenvolver estratégias que lhes pareçam adequadas para os locais em que atuam.

VEJA TAMBÉM
O Rio de Janeiro sediará Seminário de Ciências Bíblicas

Em breve, no site do movimento (www.abibliaemcadacasa.com.br), serão disponibilizadas informações sobre cada cidade do Brasil, como número de residências, população por grupo de fé e andamento da cobertura da distribuição.

Até agora, o movimento já alcançou 16 cidades, de Norte a Sul do País, além de quatro comunidades urbanas do País e duas ribeirinhas na região amazônica. Na avaliação de Wellington Oliveira, presidente e coordenador do movimento pela Jocum, o resultado é surpreendente. “As pessoas são receptivas tanto para receberem a Bíblia, quanto para conversar sobre suas vidas, sua fé ou a falta dela”.

Com informaçõe Ultimato

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.