160327003412_silas_malafaia_agenciapt_640x360_agenciapt_nocredit

Presidente do Conselho de Pastores do Brasil, que reúne 10 mil líderes evangélicos, e seguido por mais de 2,5 milhões de perfis em diferentes redes sociais, o pastor Silas Malafaia prepara um “ato profético”, em Brasília, que deve reunir líderes de 85% da população evangélica brasileira e milhares de fiéis.

Previsto para coincidir com o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso, o ato deve mobilizar caravanas de ônibus e promete revelar profecias, segundo o pastor, sobre o “fim da corrupção e da crise econômica” no Brasil.

“O ato profético é para declarar que a corrupção vai acabar, que toda a bandalheira vai ser exposta”, diz o pastor Silas em entrevista a BBC Brasil. Sobre a complexidade da promessa, Malafaia argumenta: “Quando Israel vivia períodos de crise, levantava um profeta que dizia que viriam tempos de paz e prosperidade. E aquilo tudo mudava. Então nós conhecemos esta prática.”

Apesar de prometer, pessoalmente, “descer a marreta” no governo, ele afirma que o ato é sobretudo religioso.

“O problema do malandro é pensar que todo mundo é burro e só ele é esperto”, diz. “Seria uma afronta usar a minha religião para escorar minha ideologia política. Acho isso uma covardia.”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.