Da Redação JM Notícia – Camila Rodrigues e Ricardo Costa

claudia-lelis-jm
Segundo Cláudia Lélis, as vozes que têm ecoado durante suas andanças pelas comunidades palmenses são de total insatisfação com o atual Governo do Prefeito Carlos Amastha – Foto: Manoel Lima

Cláudia Lélis, é vice-governadora do Tocantins e pré-candidata à Prefeitura de Palmas. Ela concedeu entrevista ao site JM Notícia na manhã desta quarta-feira, 30, e comentou sobre diversos temas relevantes à população palmense.

Claudia Telles de Menezes Pires Martins Lélis, tem 43 anos,  é defensora das causas sociais e ambientais, e luta pelo desenvolvimento social e econômico, aliado à preservação ambiental. É filiada ao Partido Verde, Publicitária por formação, já atuou como Secretária de Comunicação de Palmas, onde coordenou ações de marketing e publicidade que colocaram a cidade e o Tocantins como destaque na imprensa nacional por diversas vezes.

Segundo Cláudia Lélis, as vozes que têm ecoado durante suas andanças pelas comunidades palmenses são de total insatisfação com o atual Governo do Prefeito Carlos Amastha, de Palmas. “Eu tenho percebido um sentimento de insatisfação, de decepção muito grande”.

A pré-candidata ao Executivo de Palmas pelo Partido Verde informou que o governador Marcelo Miranda tem ciência de seu plano em concorrer ao Paço Municipal, mas quanto ao apoio nada está definido, pois “essa é uma decisão que não é uma visão de Estado, é uma decisão partidária”, ressaltou.

Na pauta da política, a vice-governadora falou também sobre uma possível concorrência pelo apoio do Governador Marcelo Miranda à prefeitura de Palmas, tendo em vista a especulação de que o deputado Valdemar Júnior, recém filiado ao PMDB, partido do governador, possa também concorrer à prefeitura da Capital.

Prioridades de Governo

claudia-lelis-jm1
Cláudia Lelis durante entrevista ao JM Notícia

Ao JM Notícia, Cláudia Lélis criticou o sistema de Estacionamento Rotativo de Palmas, os preços praticados pela gestão, na questão do IPTU, e os investimentos mal distribuídos ao segmento evangélico, como os gastos para o Palmas Capital da Fé.

Segundo a pré- candidata, uma das ações a serem tomadas, caso seja eleita prefeita de Palmas, é acabar com o estacionamento rotativo da avenida JK, revisar a Planta de Valores de Palmas e apoiar os eventos tradicionais evangélicos, que já existem há mais de vinte anos, como EMEP, COMADEC, ao invés de gastar milhões com apenas um único evento, que não contribui com as igrejas.

Cláudia acredita que investir nestes eventos tradicionais é valorizar os trabalhos que as igrejas fazem há mais de 20 anos. Ela afirmou também que seu planejamento de gestão está sendo construído ouvindo a população através do diálogo com todos os seguimentos.

Confira na íntegra a entrevista:

JM -Como anda sua pré-candidatura à prefeitura de Palmas?

Cláudia Lelis – Graças a Deus, muito bem. O sentimento é de receptividade, por onde tenho passado, tenho sido muito bem recebida, são inúmeras as adesões ao nosso projeto, ao Partido Verde.

JM -Por que decidiu lançar seu nome como pré-candidata à prefeitura de palmas nesse momento?

Cláudia Lelis – Porque o projeto em relação à Prefeitura de Palmas é um projeto do Partido Verde, de muitos anos, de muitos homens e muitas mulheres que querem ver um projeto novo para a nossa cidade, e entendem que é necessário esse projeto novo para Palmas.

JM -Seu partido já tinha formalizado aliança com o PRTB e agora a secretária Meire Carreira, indicação do PV, assume a presidência do PMB no Estado. isso significa que o PV ganha mais um partido para compor com ele nas próximas eleições?

Cláudia Lelis – Com certeza. A ida da Meire para o PMB vai fortalecer muito o nosso projeto, até mesmo porque essa bandeira da mulher já é uma prioridade nossa e do Partido Verde, e quando falamos em mulher não estamos falando apenas dela, mas em toda família. Essa já é uma bandeira que nós defendemos há muitos anos, a Meire sempre esteve imbuída nessas causas, e até pelo conhecimento que eu tinha da presidente nacional do PMB, surgiu essa oportunidade, nós apresentamos a Meire, e tenho certeza que ela fará um trabalho importantíssimo, que é defender a inclusão das mulheres na política aqui no Estado.

JM -Você tem percorrido a Capital e se reunido com líderes e ouvido as pessoas. Na sua avaliação, qual o maior sentimento dos palmenses?

Cláudia Lelis – Insatisfação. Eu tenho percebido um sentimento de insatisfação, de decepção muito grande. Um sentimento de que é necessário um novo projeto que cuide dos problemas práticos da população. Um sentimento de que é necessário uma gestão mais humana, mais voltada para o ser humano, em que a gente possa estar resolvendo os problemas do dia-a-dia, os problemas práticos das mães de família, dos nossos jovens, das nossas crianças.

VEJA TAMBÉM
MPE dá 30 dias para Prefeitura de Palmas resolver problemas de sinalização de transito na Avenida Tocantins

 JMVocê tem conversado com o governador Marcelo Miranda sobre sua intenção de disputar a prefeitura? Ele demonstrou algum interesse em lhe apoiar?

Cláudia Lelis – Sim. Nós conversamos a respeito disso. Agora, essa uma decisão que não é uma visão de Estado, é uma decisão partidária. É legítimo que todos os partidos coloquem um nome nessa pré- candidatura para que possam estar dialogando com a população, e possam estar construindo seu projeto para que, no momento oportuno, lá na frente, a gente se reúna e entenda qual é o melhor projeto para a população de Palmas, o projeto que população entender que é melhor para ela. Aí vamos sentar, nos reunir e definir.

 JM -Nos bastidores, acredita-se que o deputado Valdemar Júnior, recém filiado ao PMDB será o candidato do Palácio. Como a senhora ver essa questão, já que você e seu partido também pertencem à base do governo?

Cláudia Lelis – É como eu disse. É legítimo, nesse momento, que cada partido lance um nome como pré- candidato, assim como o PT faz parte também da base do Governo e lançou o deputado Zé Roberto, eu fui lançada pelo Partido Verde, e o PMDB ainda não lançou um nome, mas o Valdemar Júnior é um deputado, companheiro da base, e é legítimo que ele coloque o seu nome também nessa disputa, assim como vários outros partidos estão colocando os nomes também.

JM -Caso o PMDB lance candidato próprio, a senhora pode abrir mão de sua candidatura ou pretende seguir com seu projeto?⁠

Cláudia Lelis – Essa é uma decisão da população de Palmas. Numa candidatura majoritária, quem define o melhor candidato é a população. A gente ver isso através de pesquisas. Eu acho que uma candidatura majoritária tem que ser construída a várias mãos, não pode ser construída com um caminho individual. Nós temos que dialogar com os partidos e buscar esse entendimento com a população de Palmas, que decide o que é melhor para essa cidade, e é isso que estamos fazendo no Partido Verde. Nesse momento, construindo o nosso projeto junto com a população e, no momento oportuno, tenho certeza que os partidos irão acertar e vão entender o recado da população.

JM -Caso seja eleita prefeita de Palmas, qual será a sua prioridade enquanto gestora?⁠⁠

Cláudia Lelis – Vamos apresentar um pacote de medidas para as mais diversas áreas. Hoje, a gente sente nitidamente um sentimento de insatisfação em várias áreas, em vários pontos. Por isso, nós estamos fazendo um estudo profundo de números, o que nós podemos fazer, estamos construindo esse plano de governo nesse projeto junto com a população, ouvindo quais são as principais demandas da população para depois propor a solução desses problemas, e darmos rapidamente uma reposta à população de Palmas.

 JM -Qual será o principal lema da sua campanha?

Cláudia Lelis – Nós estamos fazendo essa construção agora, nesse momento, junto com a população, escutando cada setor, cada segmento, empresários, professores, médicos, profissionais liberais, escutando cada bairro da nossa cidade para que a gente possa construir um projeto junto com a população. É por isso que nós estamos com o projeto “PV ouvindo você”, por entender que a alma da cidade são as pessoas que moram nela. Então, não tem como você construir um projeto novo para uma cidade sem que as pessoas possam estar participando efetivamente desse projeto, e é isso que nós estamos fazendo, buscando a participação de todos. Da mesma forma, a partir do dia primeiro de janeiro de 2017, construindo uma gestão com a participação popular e de cada segmento.

 JM -Em relação a avenida JK, foi implantado o estacionamento rotativo, e gerou-se uma insatisfação muito grande junto ao empresariado, gerando o fechamento de várias lojas também. Se a senhora for eleita a prefeita, a senhora irá rever a questão do estacionamento rotativo ou vai manter como está?

Cláudia Lelis – Eu já tenho dito que essa vai ser uma das minhas primeiras medidas, acabar com aquele estacionamento rotativo. Isso fará parte do nosso pacote de medidas.

VEJA TAMBÉM
PV Lança oficialmente candidatura de Cláudia Lélis à prefeitura de Palmas no dia da mulher

 JM -A senhora acredita que esse estacionamento foi prejudicial para o empresariado local?

Cláudia Lelis – Muito. Basta sentar e conversar com os comerciantes, que você sente nitidamente a insatisfação deles. Eu acho que uma medida como essa não pode ser tomada jamais sem antes ouvir os comerciantes, tinha que ser uma decisão conjunta, até porque são eles que nos ajudam a aquecer a economia da nossa cidade, eles ajudam o poder público a gerar emprego e renda para o nosso município. Então, eles é que tem que serem ouvidos.

 JM -O empresariado reclama da carga tributária, a senhora acredita que o prefeito aumentou o custo de vida da população?

Cláudia Lelis – É nítido. O estacionamento rotativo é um exemplo disso, e o custo da população aumentou e muito nos últimos anos, a exemplo do IPTU que aumentou de forma drástica do dia para noite, e a gente percebe claramente que esse aumento na valoração dos imóveis é só na conta porque quando você tenta vender uma casa, um apartamento, você não acha um cidadão para comprar no valor que está na planta. Agora, o imposto tem que ser pago em cima daquilo que eles entendem que é o que vale o imposto. Então, isso é uma questão que, com certeza, nesse pacote de medidas que nós vamos estar apresentando, logo no primeiro momento, quando assumir a gestão, o IPTU vai ser uma das pautas para ser rediscutida com a população.

JM-Em Palmas, segundo o IBGE, cerca de 35 a 40% da população se dizem evangélicos. Se a senhora for eleita, a senhora tem algum projeto voltado para esse segmento específico? O prefeito implantou o Palmas Capital da Fé, que esse ano teve um pouco de polêmica, como a senhora tratará essa questão?

Cláudia Lelis – Eu respeito muito o segmento evangélico e sempre digo que é imensurável o bem que o segmento evangélico faz para a família e para a população palmense. Então, com certeza é um segmento que vai ter meu total e irrestrito apoio. Eu acredito muito no poder de transformação da igreja evangélica, da igreja católica na vida das famílias e, principalmente, na vida dos nossos jovens.

JM- Então pretende continuar com o Palmas Capital da Fé?

Cláudia Lelis – Vou apoiar como sempre apoiei o segmento evangélico, o segmento católico, que são segmentos que nos ajudam a fortalecer e reestruturar a nossa família.

 JM – A senhora acredita que esses milhões que foram destinados para o Palmas Capital da Fé poderia ser destinado para outras áreas, como saúde, educação, onde os vereadores comentam que tem faltado merenda nas escolas, por exemplo, ou foi um dinheiro bem empregado?

Cláudia Lelis – Eu acredito que o segmento evangélico já tem os seus eventos, que necessitam desse apoio. Eu entendo que as vezes esse dinheiro empregado nesse evento Palmas Capital da Fé deixou de dá o apoio devido aos inúmeros eventos e convenções que o público evangélico já realiza há muitos anos. Se esse dinheiro tivesse sido dado como apoio ao segmento nesse sentido, porque é um trabalho que não começou ontem, é um trabalho de mais de 20 anos, talvez o resultado teria sido melhor. Até onde eu sei os eventos tradicionais evangélicos não receberam apoio da Prefeitura, e se recebeu, acredito que com esse dinheiro poderia ter recebido ainda mais.

JM -Então a senhora pretende dá total respaldo a esses eventos evangélicos tradicionais?

Cláudia Lelis – Sem sombra de dúvida. Por entender que esses eventos tradicionais é o fortalecimento de um trabalho que é feito durante todo ano.

JM – É possível uma aliança da senadora Kátia Abreu com o PV nestas eleições??

Cláudia Lelis – Essa é uma questão que só a senadora Kátia Abreu pode falar, mas ela ao longo dos anos, ao longo das eleições, tem tido um papel importantíssimo, tem nos dado um apoio muito importante, inclusive na eleição passada nós tivemos o apoio da senadora. Agora, se ela estará nos apoiando agora ou não só ela sabe. Nós do PV estamos abertos a conversar com todos os partidos, e todo e qualquer apoio é importante para o nosso projeto, desde que entenda que é necessário realmente um projeto novo para a nossa cidade, que tenha como prioridade o ser humano, que cada cidadão palmense seja protagonista nessa história.

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • Eduardo S. Campos

    Por que não ouviu o povo na hora de subir IPVA, ICMS, combustível e luz? Visitar o HGP com as obras paradas ? Criticar as UPAS é fácil, difícil é repassar o $ que o Estado deve à prefeitura. Abaixe os impostos agora, assim todas as faixas da população agradeceriam. Peça ao governador para voltar a pagar dia 1º, pagar a data base atrasada, repassar os recursos ao Fundo da PM, garantir as conquistas dos servidores. Pensando bem, se conseguisse algo no cargo que ocupa seria bastante mais útil ao povo de Palmas.