Tristeza Mulher chora a morte de 30 cristãos etíopes por membros do Estado islâmico, na Líbia. Foto: Tiksa Negeri/Reuters
Tristeza Mulher chora a morte de 30 cristãos etíopes por membros do Estado islâmico, na Líbia. Foto: Tiksa Negeri/Reuters

A Líbia está na 10ª posição da Classificação da Perseguição Religiosa deste ano e a violência contra os cristãos aumentou muito no último ano. O país ainda tenta se recuperar da guerra e da revolução popular, mas a influência do Estado Islâmico está crescendo, fazendo aumentar os desafios da segurança do país. Os cristãos ainda se reúnem regularmente. Ore para que estas reuniões continuem de forma segura e que cada vez mais eles tenham essa ousadia de ser igreja em um país onde só encontram restrições e intolerância.

Além da perseguição sofrida pelo governo, os líbios ainda sofrem em seus próprios lares, sendo rejeitados pelos familiares por causa de sua opção de seguir ao cristianismo. A sociedade é contra eles e o ambiente é hostil. Ore para que tenham forças de seguir com sua fé e que sejam capazes de encontrar estratégias para compartilhar o amor de Cristo com outros líbios.

VEJA TAMBÉM
Norte do Paraná é impactada pelo evangelho através do trabalho com etnias de Missões Nacionais

De acordo com os relatórios da Portas Abertas, um cristão local, conhecido como Suleiman, teve que se mudar para outro país, deixando sua família e sua igreja. Agora ele estará entre pessoas estranhas e não sabe como será tratado. Ore para que ele encontre outros cristãos, que seja acolhido e que tenha sua fé fortalecida.

Além dos líbios convertidos no país, há muitos migrantes que fazem parte da igreja, africanos subsaarianos, egípcios, entre muitas outras nacionalidades. Todos vivem debaixo da mesma pressão por causa de sua identidade cristã. Interceda para que eles sejam protegidos e amparados em todo tempo, pelo Espírito Santo de Deus. Os cristãos da Líbia precisam muito de suas orações.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.