Deputado Osires Damaso, presidente da Assembleia Legislativa
Deputado Osires Damaso, presidente da Assembleia Legislativa

Da Redação

Projeto encaminhado para a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), na manhã desta quarta-feira, 30, de autoria do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Osires Damaso (PSC) propõe a proibição do ensino e apresentação de conteúdo ou de qualquer tema relacionado à ideologia de gênero no âmbito educacional do Estado do Tocantins.

Estão incluídos na vedação o uso de meios pedagógicos, exposição de cartilhas, panfletos ou similares que contenham direta ou indiretamente a ideologia de gênero, orientação sexual e congêneres.

O deputado propôs, ainda nesta quarta, a declaração de utilidade pública estadual do Instituto Solidário Humano Vale do Sol que apoia crianças, adolescentes e adultos carentes por meio de atividades culturais e esportivas.

Isenção de ICMS
Entre os projetos encaminhados para a CCJ, estão também duas matérias de semelhante teor. Osires Damaso (PSC), e a parlamentar Luana Ribeiro (PDT) são os autores de propostas distintas de isenção de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na aquisição de armas de fogo para profissionais da área da Segurança Pública.

VEJA TAMBÉM
Cristãos criam força-tarefa para combater ideologia de gênero nas escolas

Para Damaso, o instrumento de trabalho dos policiais tem alta carga tributária e os profissionais precisam adquiri-las de forma particular para combater o crime. Porém, conforme discorre o deputado, esses profissionais estão investidos da responsabilidade de seus ofícios 24 horas por dia e, em muitas vezes, se deparam com situações como um assalto em que precisam intervir, sob pena de responder por crime de prevaricação tipificado no artigo 319 do Código Penal.

Desfibrilador
Também tramita na AL uma matéria da parlamentar Luana Ribeiro que dispõe sobre a obrigatoriedade de aparelho desfibrilador externo automático em locais de aglomerações urbanas.

O aparelho emite choque elétrico e faz com que o coração volte a funcionar corretamente. Ele contribui para aumentar as chances de sobrevivência do paciente de parada ou arritmia cardíaca até sua chegada e atendimento no hospital.

Estariam obrigados a manter esse tipo de desfibrilador estabelecimentos como aeroportos, shopping centers, centros empresariais, estádios de futebol, hotéis, hipermercados e supermercados, casas de espetáculos, clubes, academias, instituições financeiras e locais de trabalho com concentração acima de mil pessoas. Com informações Portal CT

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.