pergaminho.690x460

Com mais de 2 mil anos de existência, os Manuscritos do Mar Morto são diversos registros que intrigam a comunidade internacional. Sabe-se que parte de seu conteúdo trata de registros bíblicos e de narrativas do cotidiano de judeus daquela época. Entretanto, existem cerca de 20 mil fragmentos dos itens arqueológicos que formam um grande quebra-cabeça, ainda não decifrado.

Além da enorme quantidade de pedaços que precisam ser juntados para que se compreenda todo o conteúdo dos registros, há um segundo desafio: o material se desintegra com o tempo, tornando-se ilegível.

Foi por esse motivo que pesquisadores israelenses e alemães idealizaram a criação do ProjetoScripta Qumranica Eletronica, com incentivo da Fundação Alemã de Pesquisa (DFG).

A ideia é construir um ambiente virtual, acessado pela internet, onde todos os fragmentos digitalizados (dos 20 mil faltam 3 mil ainda) poderão ser encaixados e analisados por meio de computadores por qualquer pessoa. O objetivo é que haja uma grande contribuição entre os internautas na tentativa de decifrar a incógnita. O prazo de conclusão é estimado para daqui a 5 anos.

A origem do enigma

Um beduíno que pastoreava cabras na região de Qumran – próxima ao Mar Morto, em Israel –, não imaginava o valor de uma descoberta feita ao acaso por ele.

VEJA TAMBÉM
Crianças oram em libras antes do almoço e vídeo viraliza na internet

Certo dia, uma de suas cabras havia entrado em uma caverna da região e, para espantá-la da cavidade, o rapaz havia jogado algumas pedras em direção ao local. Surpreso, ouviu um tilintar de vasos de argila e pensou que ali poderia haver um tesouro financeiro escondido. Contudo, encontrou apenas os manuscritos – um verdadeiro tesouro histórico –, os quais acabou vendendo.

Estima-se que os primeiros manuscritos de Qumran foram encontrados por volta de 1935 ou 1936 e muitos outros foram descobertos nas cavernas da região até 1956. Porém, as datas de produção são diferentes entre si, que variam do século 3 antes de Cristo (a.C.) e 1 depois de Cristo (d.C.).

Mais tarde descobriu-se que entre os conteúdos do material encontrado havia textos sagrados da Bíblia Judaica (ou Antigo Testamento, na Bíblia cristã). Até a descoberta desses textos, a compilação bíblica mais antiga de que os pesquisadores tinham notícia datava entre os séculos 9 d.C. e 11 d.C, que ganhou o nome de “Texto Massorético” –  o termo “masorah”, do hebraico, significa “tradição”

Portanto, os Manuscritos do Mar Morto, além de serem da época em que o Senhor Jesus esteve na Terra, também são as cópias mais antigas da Bíblia.

VEJA TAMBÉM
Pacotes de dados poderão ter validade de 60 dias, após aprovação de projeto relatado por Ataídes

O livro de Isaías

Um dos pergaminhos encontrados em Qumran foi o livro de Isaías. Quando o Senhor Jesus esteve na Terra, utilizou um manuscrito semelhante a esse para ler a seguinte passagem descrita na Bíblia:

“E foi-Lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre Mim, Pois que Me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-Me a curar os quebrantados do coração, A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor. E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-Se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nEle. Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos.”  Lucas 4.17-21

Surpreendentemente, quando os Manuscritos do Mar Morto foram comparados com o Texto Massorético e as Escrituras atuais, toda a Palavra se manteve a mesma, mostrando a fidelidade com que a Mensagem de Deus tem sido propagada durante os séculos.

Confira abaixo um tour interativo pelo Santuário do Livro, no Museu de Israel, onde os fragmentos dos Manuscritos do Mar Morto e o pergaminho de Isaías (que pode ser visto ao centro) estão guardados:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.