adna_fachada_400x300_cg_1A Juiza já proibiu que um dos envolvidos deixe de usar a marca e o nome. (Cleber Gellio/Midiamax/Arquivo)

A defesa da igreja Adna-BR (Assembleia de Deus Nova Aliança do Brasil), entrou com pedido de providências em ação que move contra a Igreja Evangélica Assembleia de Deus Nova Aliança, fundada pelo vice-prefeito de Campo Grande(MG) afastado, Gilmar Olarte (PP). A alegação é de que a decisão da juíza Silvia Eliane Tedardi da Silva, da 2ª Vara Cível de proibir que o pastor use a marca e o nome, proferida no final do ano passado, não está sendo respeitada.

Por isso solicita a aplicação de multa diária de R$ 5 mil fixada pela magistrada em caso de descumprimento. Além disso, argumenta que até hoje não foi apresentada argumentação por parte da requerida, portanto quer o julgamento dos autos como estão.

“Considerando a necessidade de preservação da honra objetiva e da imagem da Requerente, Requer que Vossa Excelência determine ao Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas que proceda a alteração do Estatuto da Ré, retirando qualquer menção à marca registrada ADNA, assim como aos símbolos que a distinguem”.

VEJA TAMBÉM
Foto de vendedores de abacaxi orando pelo dia de trabalho ganha web

Também pede “a retirada da marca registrada Adna das fachadas dos templos sob sua administração, tanto no templo central, nesta capital, quanto nos templos das congregações nesta capital e no interior deste Estado (frise-se que no interior do Estado são vinte e dois templos)”.

Confusão – A defesa da igreja usa, ainda, matéria veiculada na semana passada sobre um pastor preso por aplicar golpes milionários em bancos e comércios de Campo Grande supostamente ligado à Assembleia de Deus Nova Aliança. Porém, integrantes do templo comprovaram por meio de lista oficial que o detido nada tem a ver com a Adna.

Com informações MidiaMax

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.