SIQUEIRA-CAMPOS
Justiça bloqueia bens de Siqueira Campos por desvios de R$ 4 bilhões na Saúde

A Justiça autorizou o bloqueio dos bens das 12 empresas e dos agentes públicos envolvidos, inclusive o ex-governador Siqueira Campos, que foram denunciados por fazerem parte de um suposto esquema de fraudes em licitações de compra de materiais hospitalares que ultrapassa os R$ 4 bilhões. A decisão atende a pedido do Ministério Público Federal (MPF).

Conforme a procuradora da República Renata Ribeiro Baptista, as empresas denunciadas são as maiores fornecedoras do Estado. “As empresas, que entravam sem licitação, eram escolhidas, superfaturavam o medicamente e, às vezes, nem chegavam a entregá-los”, comenta. “Também queremos impedir que essas empresas contratem novamente com a Secretaria de Saúde do Estado (Sesau)”, declarou. Entre as empresas Renata citou a Litucera Engenharia e Limpeza, que tem quatro processos recentemente incluída nessa ação.

Bloqueio 

Além do ex-governador, serão bloqueados os bens da ex-secretária da Saúde Vanda Paiva, do secretário-executivo José Gastão Almada e do ex-diretor do Departamento de Apoio à Gestão Hospitalar da Sesau Luiz Renato Pedra. “O bloqueio será dos bens de todos os envolvidos, inclusive dos servidores que atestavam os documentos”, coloca.

VEJA TAMBÉM
Farmacêuticos cobram de Amastha correção de distorções do "Carreira Justa"

Caso 

A Operação Pronto Socorro investiga as fraudes em licitações de compra de materiais hospitalares.  A operação foi deflagrada com a prisão da ex-secretária de estado da Saúde Vanda, que foi solta oito dias após ser presa após pagar uma fiança de R$ 72.400 mil, em dezembro de 2014.

Além de Vanda, foram presos o secretário-executivo de Saúde do Estado, José Gastão Almada Neder, a assessora jurídica da Sesau Maria Lenice Freire de Abreu Costa, o pregoeiro e membro da Comissão Permanente de Licitação da secretaria Rodolfo Alves dos Santos e o empresário Samuel Brito Neto.

Já o diretor Pedra Sá, o sexto suposto envolvido, se entregou alguns dias depois. Na época, a prisão preventiva dos seis tinha sido decretada pelo juiz federal da 4ª Vara, Adelmar Aires Pimenta da Silva.

Respostas

À TV Anhanguera,  o ex-governador Siqueira Campos disse que não tem nenhuma preocupação quanto a esta decisão da Justiça e que a ação tem de ser voltada contra aqueles que geraram prejuízos ao Estado. Campos esclareceu ainda que não contratou advogado porque não foi responsável pelo o que houve.

VEJA TAMBÉM
Ex-governador Siqueira Campos é sondado para disputar o Senado em 2018

A ex-secretária de Saúde, Vanda Paiva, respondeu à TV que não foi notificada desta decisão, mas garantiu que durante sua gestão, ela não cometeu nenhuma irregularidade. A ex-gestora afirmou também que não tem qualquer bem que seja financiado e pago com o dinheiro público. Ainda segundo ela, as questões jurídicas vão ficar a cargo dos advogados para que façam defesa assim que ela for notificada.

O ex-secretário de Saúde, José Gastão Neder, afirmou que não sabe do que se tratam as investigações e que só vai se pronunciar depois que for notificado.

A produção da TV Anhanguera não conseguiu contato com o ex-secretário Luiz Antônio Fernandes.

O ex-secretário Márcio Carvalho disse que não foi notificado e que vai aguardar para saber que decisão vai tomar.

Já o advogado do ex-diretor Luiz Renato Pedra Sá, Marcelo Wallace de Lima, respondeu que não foi informado a respeito da decisão e que irá se inteirar do caso para depois dar uma resposta.(Com informações da TV Anhanguera)