Por pastor Jimmy Pessoa

bom-samaritano“A história da religião acompanha a história da humanidade. Onde estiver o ser humano, aí estará, igualmente, a religião”. Imagem: Reprodução/OBomSamaritano

Existem temas e assuntos que devem ser explanados para uma maior compreensão social e um destes é a religião. Não apenas por ser um assunto que é motivo potencializador para inúmeros estudos e discussões em vários âmbitos sociais, mas pela ausência de conhecimento deste tema fundamental na história das civilizações. O presente artigo traz uma abordagem introdutória sobre a história da religião e oesclarecimentoda referência da verdadeira religião pelo autor da epístola universal de Tiago, registrado no Novo Testamento da Bíblia.

Sabendo da existência de inúmeras matrizes religiosas no mundo e acreditando na pesquisa de antropólogos, arqueólogos e outros estudiosos do assunto, os quais afirmamque não existe povo sem deus, como Buns, Azevedo e Carminati (2007, p.71) que comentam este assunto ao descrever: “Pelo que se sabe, todos os povos creem que há uma parte do homem que não é física, corporal. Essa outra parte pode receber o nome de “alma”, “espírito”, “respiração”, “sombra”, etc.; é alguma coisa além do físico, transcendental”.

O doutor Champlin, ao discorrer sobre a presença da religião em todos os povos (2002, p. 638), descreve que: “A história da religião acompanha a história da humanidade. Onde estiver o ser humano, aí estará, igualmente, a religião”. O doutor Paine (2008, p. 2) comenta que: ” Assim, uma vez que a religião é um fenômeno virtualmente universal na história humana e em todo o globo habitado…”.

A religião é expressão da cultura e costumes dos povos, tão presente e necessário como outros elementos essenciais para a vida, mas explicamos de antemão  que este trabalho não visa aborda esta multiplicidade de credos, ensinos e ritos de vários costumes e tradições de grupos, povos e tribos com o espiritual ou o transcendente, mas na questão da origem do termo e da perspectiva cristã apresentada por Tiago, em sua epistola Universal, em que  a religião tem a expressão e seu significado apresentado com clareza e propriedade sobre  qual é a verdadeira religião.

  1. Sobre Religião – História e Etimologia.

Os estudos sobre religião sempre foram tema das ciências humanas e da natureza, sejam pesquisadores, filósofos, professores, cientistas, físicos, teólogos, clérigos etc.,mas, no sentido clássico, esta palavra religião sempre teve a conotação do ser humano e sua relação com o sagrado.

O doutor Paine (2008, p.2) comenta que: ” No entendimento clássico, lembro, a título de exemplo, os escritos de Tomás de Aquino, os quais discorriam que existiria uma única religião, mas não no sentido de uma única fé ou igreja, ou de um único credo ou culto. Existiria uma disposição da vontade humana, como homo religiosus, que encontramos, ou deveríamos poder encontrar, em todos os seres humanos. Seria uma disposição de se posicionar de uma certa maneira para com o sagrado. Porém, segundo o entendimento clássico, essas “formas diferentes” não seriam diferentes religiões, somente atos e manifestações exteriores da única propensão humana que é a religião”.

A palavra religião é extremamente divulgada nos veículos de comunicação, livros, escolas, universidades, igrejas, locais de cultos etc. A definição desta palavra com sua origem e significado é bem antigo, no português.Segundo Champlin (2002, p. 637) ” A palavra portuguesa religião vem do Latim, religare, < religar>, <atar>. A aplicação básica dessa palavra é a ideia de que certos poderes sobrenaturais podem exercer autoridade sobre os homens, exigindo que eles façam certas coisas e evitem outras, forçando-os a cumprir ritos, sustentar crenças e seguir algum curso específico de ação”.

Ao abordar sobre o tema religião e o desafio de buscar uma explicação que tenha uma aceitação ampla no meio acadêmico, o doutor McGrath (2005, p. 604) descreve que: “Parece haver ao menos um mínimo de consenso em torno da ideia de que religião, qualquer que seja sua definição, envolve, de certo modo, crenças e comportamentos que são vinculados ao domínio sobrenatural de entes espirituais ou divinos”.

A religião está presente na história da humanidade, sejam povos das montanhas, vales, florestas, desertos ou dos mares, o fenômeno religioso é instrumento de construção social de todos os povos, a religião não apenas tem a capacidade de “religar o ser humano ao divino” fazendo-o servir ao que é considerado sagrado, mas em sua essência é ação motivadora que une pessoas e povos, fazendo-os renegar suas diferenças por uma vivência fraterna e espiritual na relação com Deus.

VEJA TAMBÉM
Técnico dos Santos veta cultos na concentração dos jogadores: “é local de trabalho”

Na contemporaneidade, muitos cristãos, em sua maioria protestantes e pentecostais, por desconhecerem sobre o que é religião, fazem afirmações que o cristianismo não é uma religião, ou que aquela ou aquele que é cristão não é religioso, mas é impossível ser cristão sem ser religioso, o doutor Paine (2008, p. 2) discorre que: “ O termo latinoreligio, para os romanos antigos e também para os europeus ocidentais da Idade Média…Era uma virtude e não uma manifestação cultural. O termo latino também foi empregado para traduzir a palavra grega threskeia no Novo Testamento (Atos 26, 5; Tiago 1, 26-27), que tem esse mesmosentido de respeito para com Deus.

O autor da epistola universal de Tiago nos apresenta esta perspectiva da religiãocristã, o qual   nos é repassado o cristianismo verdadeiro, revelado em suas obras. Produção literária que perpassa as perspectivas espirituais como uma relação apenas pessoal, mas a vivência espiritual em uma afinidade social, da prática cristã, em amar, cuidar e renegar o sistema mundano.

 A Verdadeira Religião é Esta

             A epistola de Tiago foi escrita com a finalidade de orientar os Cristãos a respeito de situações que eram e são pertinentes para a comunidade cristã, questões estas que foram necessárias naquela época e são na atualidade, por se tratarem de temas desafiantes para a igreja em seu seio e na sua relação com o mundo.

 

Tiago escreve no capítulo primeiro e versículos vinte e seis e vinte e sete sobre ser religioso e a religião pura e imaculada.Fazendo menção da edição em Português de João Ferreira de Almeida de 1995 (1995 – CPAD) e do texto do Novo Testamento Interlinear Analítico do Texto Majoritário com Aparato Crítico Grego – Português (2008, P. 849) comentaremos estes versículos.

O primeiro conceito que o autor trata é “se alguém se julga religioso”, inúmeras passagens nos ensinos do Novo Testamento é denotada a questão do verdadeiro cristão, que este é conhecido pelos frutos ou pelas obras (Mt 12.33;Tt 1. 16; Ef 2.10; 1º Jo 2.6; Tg 2. 14 – 26). Como pode se julga por si mesmo, se os frutos só sabem quem os prova ou consome e as obras por aquele que vê ou recebe?

O autor continua o excelente texto de ensino sobre o verdadeiro religioso destacando sobre o que não refreia sua língua, pois se existe um membro no corpo que revela o verdadeiro religioso este é a língua. O texto sagrado já diz: “ Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca. ” (Mt 12.34). Tiago, mencionando anteriormente sobre a língua, diz que: Assim também é a língua, é um pequeno membro e gloria-se de grandes coisas…” (Tg 3.5).

Pelas palavras, o verdadeiro cristão revela sua comunhão com Deus, pois, por toda sua vida, sua boca é fonte de água que emana da fonte Divina, suas palavras são de bênçãos e pela sua língua são pronunciadas palavras de paz e vida.

Ao concluir o versículo, Tiago diz que o que “Engana seu coração”, referindo-se que o que usa a língua como instrumento de maldade, este engana-se a si mesmo, sendo a religião que professa vã, ou seja, é a “religião dele mesmo”, do antropocentrismo, do orgulho e da mentira.

Ao iniciar a descrição da verdadeira religião, Tiago já afirma que “ a religião pura e imaculada para com Deus, o Pai…” O autor descreve a religião, assim como João diz: “ A verdade”, este agora diz: “A religião”, então assim como existe a verdade, mesmo que alguns doutores de filosofias vãs neguem a Verdade absoluta, o Cristão sabe que em Cristo está a verdade, que é absolutamente suficiente para transformar e salvar vidas.

Em seguida, Tiago diz: “esta é”, quando ele faz tal afirmação, o escritor aborda oque pode ser visto, pois o pronome esta, é um pronome demonstrativo, usado na gramática para fazer referência a um termo próximo ou futuro, Tiago reafirma o que é a verdadeira religião, fazendo referência a este tema, apresentando os seguintes apostos: Cuidar dos órfãos e das viúvas e guarda-se da corrupção do mundo.

Sendo assim, claramente se observa que ser Cristão é ser religioso, e todo Cristão faz parte da verdadeira religião, que se apresenta em três virtudes: “Cuidar dos órfãos”, na antiguidade, órfãos eram vendidos caso a família ou o pai tivesse dívidas (2º Rs 4.1), ou eram feitos escravos, pois crianças são vulneráveis, seja em qualquer época, caso uma criança se perca dos responsáveis, o máximo que fará é chorar, pois não tem força, consciência e noção das responsabilidades da vida.

VEJA TAMBÉM
A Igreja que serve a Deus e a “Igreja” que agrada aos homens, por pastor Jimmy Pessoa

O cristianismo é identificado pela responsabilidade de cuidar dos oprimidos, abandonados, que nada podem fazer, apenas choram, então o cristão é instrumento de Deus para enxugar as lágrimas, gerar alegria, proteger e cuidar de suas vidas, ensinando quais os preceitos de Deus, para que assim a criança cresça na graça e no conhecimento.

Em seguida, Tiago menciona “e das viúvas”, o Espirito de Deus inspirou o autor do texto sagradopara tratar deste tema tão essencial na igreja cristã, as viúvas do mundo antigo morriam de fome, por isso o Eterno orienta que se alimente as viúvas e os próprios apóstolos são atentos a esta palavra (Dt 10. 17 – 18; Dt 24. 17 – 21; Dt 27. 19; Is 1.17; At 6.1). Tiago,citando este texto à memória, traz uma mensagem contra o preconceito, abandono, egoísmo e injustiça.

Pois a mulher também é sofredora de abusos e maus tratos na sociedade, pois se a mulher sofre acompanhada, como será o sofrimento daquela que perdeu marido e até filhos, vivendo a terrível dor da morte dos seus entes queridos e do abandono e exclusão social, sendo então papel da Igreja cuidar destas mulheres, alimentá-las, fornecer-lhes abrigo e está presente junto as suas necessidades emocionais.

 

Por fim, Tiago diz que o verdadeiro religioso deve “guarda-se da corrupção do mundo”, não deixar corromper pelo mundo, mas ser um humano que imita os preceitos de Cristo, que segue a mensagem de ser santo, não defraudar, mentir, enganar ou ceder às paixões da carne. Não cedendo ao sistema corrupto que domina este planeta, a ideia de que os fins justificam os meios, onde o hedonismo é a prática de grande parte da população que vive corrompida pelo pecado.

Pois o Cristão é ligado a Deus, por isto que Tiago é usado pelo Senhor para mostrar que ser religioso é vivenciar a virtude de servir ao que transcende o nosso entendimento e nos faz transcender nossas vontades pelo amor ao Eterno. Champlin (2002, p. 424),comentando sobre Tiago,descreve que: “ … A intenção do autor sagrado foi boa. Ele queria que soubéssemos (e nisso estava com a razão), que opiniões corretas sobre as verdades cristãs não são suficientes; deve haver uma vida espiritual vital, pois, do contrário, a fé estará morta”.

CONCLUSÃO

Compreende-se que o Cristianismo descrito por Tiago está além das palavras, mas é vivenciado em sua essência quando os atos falam mais que as palavras proferidas nos sermões, quando as pregações se materializam na vida cotidiana e na fraternidade da obra eclesial, entendemos que a fé cristã é a religião que Cristo viveu, ensinou e deixou. Para, assim, aqueles que decidem pela fé serem cristão revelem pelas obras a fé no Cristo Jesus que viveu a religião pura e imaculada.

A fé cristã só pode ser plena se houver o cumprimento prático do amar a Deus sobre todas as coisas, pois assim o ser humano vence a corrupção do mundo, ao escolher amar a Deus, ele não tem relação com o sistema mundano, logo todo sentimento egoísta e ganancioso é superado pelo amor ao próximo como a si mesmo e o servo de Cristo trilha o Caminho para a eternidade, por Viver a Verdade que o faz ter a Vida abundante, por ele ser um verdadeiro religioso.

 

REFERÊNCIAS

Donald, C. Stamps.Biblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro, RJ: CPAD, 1995.

Gomes, Paulo Sergio e Olivetti, Odayr. Novo Testamento Interlinear Analítico Grego – Português – Texto Majoritário com Aparato Crítico. São Paulo: Cultura Cristã, 2008.

Champlin, Russel Norman. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. São Paulo:Editora Hagnos, 2002. Volume 5.

Champlin, Russel Norman. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. São Paulo: Editora Hagnos, 2002. Volume 6.

Paine, Scott Randall. Temas em Ciências da Religião, ed. Cícero Bezerra, Sergipe: Editora – UFS, 2008. Primeiro Capítulo – Religião e Religiões: Uma questão só de Gramática?

McGrath,Alister E., Teologia sistemática, histórica e Filosófica: uma introdução a teologia cristã. Shedd Publicações: São Paulo, 2005.

Burns, Bárbara, Azevedo, Décio, Carminati, Paulo Barbero F. de.,Costumes e Culturas Uma introdução à Antropologia Missionária. São Paulo: Vida Nova, 1995.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.