Uma ameaça ao Brasil publicada em novembro em uma conta no Twitter vinculada a um membro do Estado Islâmico (EI) foi confirmada pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que intensificou o monitoramento de indivíduos que teriam jurado lealdade ao grupo extremista e poderiam agir dentro do País, de acordo com reportagem do jornal “O Dia”.

“Brasil, vocês são nosso próximo alvo”, diz o tuíte enviado para o microblog dias depois dos ataques terroristas em Paris – nos quais 130 pessoas morreram e mais de 300 ficaram feridas – através da conta utilizada por Maxime Hauchard, um francês que foi para a Síria em 2013 e juntou-se às fileiras do EI. A conta de Maxime foi suspensa pelo Twitter.

Imagem de Maxime Hauchard capturada de vídeo de propaganda do EI; no destaque, o tuíte ameaçando o Brasil
Imagem de Maxime Hauchard capturada de vídeo de propaganda do EI; no destaque, o tuíte ameaçando o Brasil

“Monitoramos e percebemos que o perfil realmente era do Maxime, um dos líderes do Estado Islâmico. A partir do momento da postagem houve uma maior intensidade nos discursos de agressividade dos autoproclamados seguidores desse grupo terrorista no Brasil”, disse o diretor de Contraterrorismo da Abin, Luiz Alberto Sallaberry, ao diário.

VEJA TAMBÉM
Dilma é notificada pelo STF para explicar por que chama impeachment de golpe

Diante de uma plateia de especialistas que participou da Feira Internacional de Segurança, no Rio, Sallaberry descreveu o jihadista como “espécie de garoto-propaganda do Estado Islâmico”. “(Maxime) é o segundo na linha de comando de decapitadores e gosta de dizer que estar no grupo ‘é como estar no Éden'”, detalhou.

O diretor da Abin disse também que tem aumentado no Brasil a quantidade de pessoas que juram lealdade ao EI e estariam, portanto, prontas para agir em nome do islã. “Quando uma pessoa faz o juramento ao califado e se torna autoproclamado ela está disposta a cometer qualquer atentado violento em nome do grupo. A ordem não precisa ser presencial, pode ser via internet”, disse Sallaberry.

Ainda na Feira Internacional de Segurança Sallaberry apresentou exemplos de materiais usados pelos indivíduos que juraram lealdade ao EI no Brasil, como bandeiras com inscrições em árabe e adornadas com o símbolo do grupo terrorista.

“Posso dizer que são de origem salafista sunita, comunidade que está ligada ao EI. Não estou dizendo que vai acontecer um atentado. Estou dizendo que é a primeira vez que a probabilidade aumentou sobremaneira no nosso país”, completou o diretor da agência.

VEJA TAMBÉM
Seminário destaca o papel da família na prevenção de suicídio entre adolescentes

Em novembro, ele havia alertado que as autoridades brasileiras consideram os chamados lobos solitários – que agem inspirados ou sob direção de algum grupo radical, mas sem a necessidade de uma célula terrorista ou outra organização formal – “a principal ameaça aos Jogos Olímpicos” que serão realizados no Rio em agosto. Com informações Estadão

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.