Da Redação JM Notícia

FotorCreated-2Disputa judicial envolvendo lideranças provocou bloqueio da contas da Convenção, por parte da justiça. Foto:Reprodução

Nesta terça-feira, 19 de abril, a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) foi acionada judicialmente determinando o bloqueio das contas da Convenção Geral, devido ao não pagamento da dívida de R$ 9 milhões referente a multas judiciais acumuladas .

No dia 03 de março de 2016, o juiz da 1ª. Vara Cível e Acidentes do Trabalho de Manaus, José Renier da Silva Guimarães publicou a intimação destinada ao presidente da Convenção Geral para, num prazo de 15 dias, pagar a multa no valor de R$ 9.000.000,00 (nove milhões de reais) de multas acumuladas.

Segundo fonte do JM Notícia,  as contas da CGADB ainda não teriam sido bloqueada, mas pode ser bloqueadas a qualquer momento.

Acordo

Segundo o JM Notícia apurou, já existe uma possibilidade de acordo entre o pastor Samuel Câmara, e a liderança da CGADB, quanto a multa dos R$ 9 milhões de reais.

Chapa

De acordo a fonte, quanto a uma possível composição de chapa entre o pastor Samuel Câmara  e o pastor Wellington Júnior, Câmara não teria sido procurado, embora esse assunto já tenha sido tratado pela Mesa Diretora da CGADB.

VEJA TAMBÉM
CGADB: Propaganda antecipada de pré-candidatos leva Comissão Eleitoral a se manifestar

Decisão Interlocutória

A Decisão Interlocutória que determina o bloqueio das contas, foi proferida dia 19, pela Juíza de Direito da 1ª Vara Cível de Acidentes de Trabalho do Estado do Amazonas, Dra Joana dos Santos Meireles. JM – Decisão interlpocutória 475 J (1)

Entenda

Nas eleições de 2013, por ocasião da 41ª AGO – Assembleia Geral Ordinária realizada em Brasília-DF, foi reconduzido o pastor José Wellington Bezerra da Costa para mais um mandato a frente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), no entanto, antes do dia da eleição, pastor Samuel Câmara, concorrente direto e um dos fortes candidatos a ocupar o cargo na época, solicitou que se apresentasse comprovante de pagamento dos convencionais inscritos, que participariam da eleição, para verificar possíveis inscritos fora do prazo legal.

De acordo com o pastor Samuel Câmara ao JM Notícia, a solicitação foi negada, e o mesmo ajuizou ação junto à justiça requerendo a amostra dos pagamentos das inscrições, sob a suspeita de que haveria convencionais inscritos fora do prazo, no entanto, mesmo com decisão judicial determinando que se mostrassem os documentos solicitados, Pastor José Wellington se recusou a mostrar os comprovantes de pagamentos.

VEJA TAMBÉM
Juiz dá 5 dias para CGADB levantar documentos da eleição

Devido ao descumprimento judicial, a Justiça do Estado do Amazonas, determinou multa diária no valor de R$ 50 mil reais, decisão proferida ainda em 2013.

No último dia 25 de fevereiro de 2016, a magistrada da 1ª Vara Cível e de Acidentes de Trabalho de Manaus Joana dos Santos Meirelles, proferiu Decisão Interlocutória do caso.

Na decisão, a juíza afirmou que a CGADB ignorou o julgado, acreditando que poderia reverter o valor perante o TJAM, o que não teria conseguido.

Parte da decisão da juizá Joana dos Santos Meirelles

“Ora, o valor da multa não deixa margem a dúvida, foi fixado em valor certo, a data para cumprimento da obrigação foi claramente definida e o descumprimento é incontroverso. É suficiente, portanto, fazer o cálculo pertinente, determinado pelos elementos erigidos acima, para determinar o valor da execução. No caso deste ter-se mostrado vultuoso, cinge-se ao fato de que a Requerido deixou os dias transcorrerem ignorando o julgado, acreditando que o reverteria perante o Egrégio TJAM, o que não conseguiu”.

decisão

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.