Da Redação JM Notícia

FotorCreated-2Disputa judicial envolvendo lideranças provocou bloqueio da contas da Convenção, por parte da justiça. Foto:Reprodução

Nesta terça-feira, 19 de abril, a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) foi acionada judicialmente determinando o bloqueio das contas da Convenção Geral, devido ao não pagamento da dívida de R$ 9 milhões referente a multas judiciais acumuladas .

No dia 03 de março de 2016, o juiz da 1ª. Vara Cível e Acidentes do Trabalho de Manaus, José Renier da Silva Guimarães publicou a intimação destinada ao presidente da Convenção Geral para, num prazo de 15 dias, pagar a multa no valor de R$ 9.000.000,00 (nove milhões de reais) de multas acumuladas.

Segundo fonte do JM Notícia,  as contas da CGADB ainda não teriam sido bloqueada, mas pode ser bloqueadas a qualquer momento.

Acordo

Segundo o JM Notícia apurou, já existe uma possibilidade de acordo entre o pastor Samuel Câmara, e a liderança da CGADB, quanto a multa dos R$ 9 milhões de reais.

Chapa

De acordo a fonte, quanto a uma possível composição de chapa entre o pastor Samuel Câmara  e o pastor Wellington Júnior, Câmara não teria sido procurado, embora esse assunto já tenha sido tratado pela Mesa Diretora da CGADB.

VEJA TAMBÉM
Convenção Conframadego declara apoio ao pastor Wellington Junior

Decisão Interlocutória

A Decisão Interlocutória que determina o bloqueio das contas, foi proferida dia 19, pela Juíza de Direito da 1ª Vara Cível de Acidentes de Trabalho do Estado do Amazonas, Dra Joana dos Santos Meireles. JM – Decisão interlpocutória 475 J (1)

Entenda

Nas eleições de 2013, por ocasião da 41ª AGO – Assembleia Geral Ordinária realizada em Brasília-DF, foi reconduzido o pastor José Wellington Bezerra da Costa para mais um mandato a frente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), no entanto, antes do dia da eleição, pastor Samuel Câmara, concorrente direto e um dos fortes candidatos a ocupar o cargo na época, solicitou que se apresentasse comprovante de pagamento dos convencionais inscritos, que participariam da eleição, para verificar possíveis inscritos fora do prazo legal.

De acordo com o pastor Samuel Câmara ao JM Notícia, a solicitação foi negada, e o mesmo ajuizou ação junto à justiça requerendo a amostra dos pagamentos das inscrições, sob a suspeita de que haveria convencionais inscritos fora do prazo, no entanto, mesmo com decisão judicial determinando que se mostrassem os documentos solicitados, Pastor José Wellington se recusou a mostrar os comprovantes de pagamentos.

VEJA TAMBÉM
Pastor Jesiel Padilha confirma ao JM Notícia candidatura à CGADB; confira

Devido ao descumprimento judicial, a Justiça do Estado do Amazonas, determinou multa diária no valor de R$ 50 mil reais, decisão proferida ainda em 2013.

No último dia 25 de fevereiro de 2016, a magistrada da 1ª Vara Cível e de Acidentes de Trabalho de Manaus Joana dos Santos Meirelles, proferiu Decisão Interlocutória do caso.

Na decisão, a juíza afirmou que a CGADB ignorou o julgado, acreditando que poderia reverter o valor perante o TJAM, o que não teria conseguido.

Parte da decisão da juizá Joana dos Santos Meirelles

“Ora, o valor da multa não deixa margem a dúvida, foi fixado em valor certo, a data para cumprimento da obrigação foi claramente definida e o descumprimento é incontroverso. É suficiente, portanto, fazer o cálculo pertinente, determinado pelos elementos erigidos acima, para determinar o valor da execução. No caso deste ter-se mostrado vultuoso, cinge-se ao fato de que a Requerido deixou os dias transcorrerem ignorando o julgado, acreditando que o reverteria perante o Egrégio TJAM, o que não conseguiu”.

decisão

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.