unnamed
(Foto: Alessandro Dantas) Para o senador, o que ocorre hoje é um golpe que é fruto de uma conspiração orquestrada por um traidor e manipulada pela mídia.

O senador Donizeti Nogueira (PT-TO) participou, nesta segunda-feira, 02, do ciclo de debates sobre “Democracia e Direitos Humanos – com foco nos Direitos das Mulheres” da Comissão de Direitos Humanos, e defendeu uma nova narrativa capaz de encantar a sociedade como forma de conter a conspiração golpista e retomar o estado democrático de direito.

Ele alertou que o Brasil vive, hoje, um momento crítico de enfraquecimento da democracia e argumentou que o recente episódio de votação da Câmara dos Deputados, assustou a população, que não comemorou o resultado da votação. “Foi um espetáculo deprimente, de baixo nível, que mostrou porque a classe política está em descrédito perante a população”, argumentou o parlamentar, acrescentando que o descontentamento é geral e o baixo índice de popularidade do Parlamento é até maior que o da presidenta Dilma.

Para o senador, o que ocorre hoje é um golpe que é fruto de uma conspiração orquestrada por um traidor e manipulada pela mídia. O parlamentar argumentou que a construção do governo de coalizão trouxe alguns percalços, mas que o Brasil avançou, tanto nos governos Lula, quanto no atual. Para Donizeti, o que faltou foi uma comunicação capaz de fazer a sociedade compreender essas mudanças, citando exemplos como a educação e a moradia com programas de inclusão social das classes mais baixas, que não foram absorvidas pela mesmo em reconhecimento.

VEJA TAMBÉM
Participantes da 2ª Marcha Cristã pedem intervenção militar na Avenida Paulista

 “A falta de uma boa comunicação, faz com que o jovem que estuda hoje em Londres, pelo Ciência sem Fronteira, considere que isso é mérito pessoal dele, esquecendo que há uma política pública que lhe proporcionou essa oportunidade”, afirmou, concluindo que essa falta de comunicação faz com que o usuário do Programa Minha Casa, Minha Vida, que tem subsídio de 90%, patrimonizando a família,  não se sinta igualmente contemplado por uma política de governo, mas sim, sugere que ele esteja pagando integralmente a casa.

Apesar disso, o senador petista está otimista em relação a votação do processo de impeachment na Casa. Para ele, eles podem aprovar a admissibilidade, mas na votação final a vitória será da democracia. “A sociedade que ocupou as ruas, precisa continuar ocupando para garantir o Estado Democrático e, dessa maneira, influenciar a votação derradeira”, concluiu o senador afirmando que a “Ponte para o futuro” não passa de uma ponte do retrocesso, uma volta ao passado, que FHC e o PSDB já estão cobrando.

VEJA TAMBÉM
“Impeachment se combate com bom governo”

Ascom