Da Redação JM Notícia/Camila Rodrigues

Foto-Prefeitura-de-Palmas-696x391
(Divulgação) CMEI Sementinhas do Saber, em Palmas.

A manhã desta quarta-feira, 04, foi de tristeza para os professores das escolas CMEI Sementinhas do Saber, no setor Santa Fé, e CMEI Sonho de criança, no setor Morada do Sol, em Palmas. Ao chegarem para dar aula normalmente, ficaram sabendo que tinham sido substituídos por outros professores. Surpreendidos com a notícia repentina e sem explicação, o momento foi desesperador, segundo narrou alguns servidores ao JM Notícia. De acordo com alguns professores, a diretoria das escolas não soube explicar o que aconteceu, e agora elas buscam resposta da Secretaria de Educação.

Foi publicado no Diário Oficial do município, na última terça-feira, 03, a anulação de contratos de vários servidores da Educação. Na mesma publicação, logo em seguida, estava a relação dos nomes que seriam os substitutos dos servidores que tiveram o contrato cancelado. No entanto, segundo algumas professoras, elas não foram avisadas de tal decisão, e desconhecem os motivos que levou o prefeito Amastha e o Secretário de Educação, Danilo de Melo, tomar a decisão de rescindir vários contratos, sendo que estes só encerrariam no dia 14 de dezembro.

1
(Professoras dos CMEIs foram à Câmara Municipal reivindicar ato.

De acordo com as professoras, que estiveram na Câmara Municipal, na manhã desta quinta-feira, 05, para cobrar medidas de solucionar o problema, o Secretário de Educação teria alegado, em entrevista à Rede Record, incompetência por parte dos professores, e teria reclamado de faltas. Mas, segundo elas, o secretário está equivocado, visto que não consta nas folhas de ponto das escolas tais faltas e que elas participaram do processo seletivo, sendo muito bem preparadas para os cargos que ocupam.

VEJA TAMBÉM
Multidão comparece em peso no COMADEC nesta segunda; Silvan Santos ministrou

As professoras procuraram o vereador professor Júnior Geo, que afirmou que o Secretário de Educação foi infeliz e inconsequente em sua fala, ao afirmar que os servidores teriam faltado e que estavam sendo incompetentes.

“A Secretaria de Educação, no mínimo, agiu com desrespeito aos servidores. Não somente com desrespeito e um exemplo de má gestão, mas o secretário ainda cometeu uma inflação gravíssima, porque ele divulgou para a imprensa que esses servidores estavam sendo demitidos porque eram servidores faltosos, servidores que não cumpriam com a devida função a qual foram contratados”, disse Geo.

“O que os servidores tendem a fazer é processar o secretário do Município de Palmas, pela fala dele. A prefeitura ou a gestão tem autonomia para contratar e para exonerar a hora que ela quiser, ela não tem é autonomia, ou poder, ou direito sequer de denegrir a imagem, de difamar a imagem e caluniar as pessoas que foram contratadas para exercer uma função, ainda mais com afirmações mentirosas”, complementou o vereador.

O que os professores querem agora é uma justificativa por parte da prefeitura e da Secretaria de Educação, e que a imagem negativa delas seja reparada pelo secretário Danilo de Melo.

VEJA TAMBÉM
Vereadores afirmam que prefeitura “não tem dinheiro para merenda escolar, mas tem um milhão para fazer ornamentação de Páscoa”

“Espero que nós tenhamos uma reposta da prefeitura e que nós tenhamos também a nossa imagem limpa, e não sairmos do jeito que estamos saindo, como se nós fôssemos incompetentes, como se tivéssemos faltando com o nosso compromisso. Isso não é verdade. Eu quero que o Danilo prove o que ele está falando, porque nós éramos sempre monitorados, via câmeras, e temos também as folhas de ponto e temos atas”, disse Jane Vidal.

“Foi desesperador, todo mundo começou a chorar e foi embora. É uma situação complicada porque fizemos planos para o ano, temos os nossos compromissos para arcar com eles. A gente não esperava essa quebra de contrato. E como a gente vai ficar? Seremos ressarcidos disso? Porque isso é danos morais, chegar numa situação dessa, e de repente chega para trabalhar e é dispensado por incapacidade. Nós fizemos um processo seletivo, nós tiramos notas, nós temos títulos e somos graduados. Temos competência sim para ocupar o nosso cargo”, finalizou a professora Dulcimar Oliveira.

De acordo com as professoras, a Diretoria das escolas não soube explicar o que aconteceu. O JM Notícia tentou contato com a Secretaria de Educação, mas até o fechamento desta matéria não obteve sucesso.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.