Após sua participação este ano no 34º Gideões Missionários da Última Hora, em Camboriú, Santa Catarina, o pastor Marco Feliciano passou a ser alvo na internet de uma série de acusações por conta de um trecho de sua mensagem que falava sobre a criação do homem.

Na ministração, o pastor afirma que quando Deus criou o ser humano uniu “o espírito dos anjos” com “a alma dos animais”.

Como já se tornou comum na internet brasileira quando se trata de um assunto relativo ao pastor, o vídeo viralizou. Muitas páginas de Facebook dirigidas ao público evangélico passaram a tratar do ensino como “heresia”. Embora muitos defendam o pastor, afirmando que havia consistência, a maioria parece preferir atacá-lo não só como pastor, mas também como político.

Ciente disso, a resposta de Marco Feliciano foi postada em seu perfil do Facebook. O texto assinado por ele é quase um estudo bíblico. Ele afirma que “nos últimos dias dentro do cristianismo há um espírito que opera, chamado por Paulo de chocarrice”.

VEJA TAMBÉM
Laudo aponta que Patrícia Lélis ‘a todo momento falta com a verdade’

Citando o texto de Efésios 5:4, o pastor afirma que as críticas vêm de “falsos irmãos que vivem de debochar daquilo que não compreendem por pura falta de contato com a palavra e absortos pela ignorância e leniência”.

Lembrou ainda que, por sua postura política, é “desafeto político de muitos evangélicos ‘progressistas’, apoiadores do PT e de ditadores… e de outros seguidores da Teologia da Libertação”.

A seguir, passou a discorrer que, segundo a Bíblia, os anjos foram as primeiras criaturas criadas por Deus e são “espíritos” sem corpo (Hebreus 1:14). O mesmo termo hebraico, “ruach” aparece nas Escrituras para se referir ao espírito humano (Jó 32:8, Salmo 31:5 e Salmo 146:4).

Ressaltou ainda que os animais criados por Deus são “alma vivente” (Gênesis 1:24). Seu corpo veio do mesmo pó da terra de onde saiu o homem (Adão).  Esse homem, segundo Marco Feliciano, possui então “Espírito, como o dos anjos, alma, como dos animais irracionais e corpo (terra), como dos animais irracionais”.

Abordando o ensino sobre a tricotomia do homem (1Ts 5.23; Hb 4.12), alistou quais são esses   “três tomos”. O primeiro é o corpo (Lv 4.11; 1Rs 21.27; Sl 38.4; Pv 4.22; Sl 119.120; Gn 2.24; 1Co 15.47-49; 2Co 4.7), o segundo é a alma (nephesh no hebraico) (Sl 107.5,9; Gn 35.18; Dt 12.23; Lv 17.14) e por fim espírito (ruach no hebraico) (Ec 12.7; Lc 20.37; 1Co 15.53; Dn 12.2).

VEJA TAMBÉM
Igreja não é comércio, diz Feliciano contra impostos para templos

Justificou seu ensinamento lembrando que a ciência afirma que o homem é um “animal racional” e para a teologia, “o espírito é o elemento de comunicação entre Deus e o homem”.

Sendo assim, finalizou reafirmando o que pregou no último final de semana: “Portanto sim, Deus usou o espírito (mesmo dado aos anjos), a alma vivente e o corpo (barro) ambos usados na criação dos animais, para fazer/criar o homem”.

Com informações Gospel Prime