siriaHomem levou uma facada no peito antes de ser morto Foto: Reprodução / Twitter / Raqqa_SL

Militantes do grupo terrorista Estado Islâmico enterram vivos 45 soldados da própria organização, em Kirkuk, no Iraque. Os homens foram mortos como punição por terem escapado de uma batalha contra forças de combate do presidente do Sudão, Omar al-Bashir. Todos foram colocados dentro de uma mesma cova gigante, perto da província de Nínive. As informações são do jornal “Iraqi News”.

De acordo com a publicação, o relato foi feito por uma testemunha, nesta terça-feira. Para o jornal, a fonte explicou: “O Estado Islâmico enterrou seus membros que escaparam de batalhas contra al-Bashir dentro de uma única cova, na vizinhança de Qayara, perto da província de Nínive. Eles foram enterrados vivos”.

A publicação britânica “The Mirror” apontou que a organização jihadista usou esse tipo de punição para que outros soldados não se sintam encorajados a fugir de batalhas. Recentemente, tanto no Iraque quanto na Síria, a organização tem perdido espaço e batalhas contra rivais.

VEJA TAMBÉM
Hackers do EI invadem site cristão brasileiro e ameaçam mulheres

Essa não foi a primeira vez que o Estado Islâmico puniu seus próprios soldados. No mês passado, soldados foram colocados dentro de um congelador gigante para morrerem de frio. Os corpos, depois, foram espalhados por ruas de Mosul, no Iraque.

Suspeito de espionagem morto

Neste fim de semana, militantes do grupo terrorista Estado Islâmico executaram um homem suspeito de espionagem, em Raqqa, no centro-norte da Síria. De acordo com informações do jornal “The Independent”, a vítima foi agredida e baleada. Depois, teve o corpo suspenso em um poste em uma rodovia movimentada para que pudesse ser visto pela população local.

A morte brutal foi divulgado pelo grupo ativista “Raqqa is Being Slaughtered Silently” (Raqqa está sendo abatida silenciosamente, em tradução literal), que denuncia nas redes sociais as atrocidades cometidas pelo grupo jihadista. Segundo a organização, a vítima foi acusada de espionagem.

A divulgação de vídeo e fotografias das mortes de “inimigos” é uma estratégia de “propaganda” do regime radical que pretende se instalar no Iraque e na Síria. Atualmente, o Estado Islâmico (ISIS em inglês) é o maior grupo terrorista do mundo.

VEJA TAMBÉM
Estado Islâmico reivindica ataque terrorista em Barcelona

Com informações Extra

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.