blackchurches

No extremo noroeste da Tanzânia, na região de Kagera, fronteira com Uganda, Burundi e Ruanda, mais uma igreja foi totalmente queimada. O incidente ocorreu no dia 2 de maio e até agora as autoridades não encontraram os responsáveis. “É a terceira igreja queimada em apenas quatro meses. Até agora a polícia abordou sete suspeitos que estão ajudando nas investigações, inclusive das igrejas que foram queimadas e destruídas no ano passado”, diz o comandante da polícia regional, Augustine Ollomi.

Na época dos ataques de 2015, o secretário da Associação de Pastores em Bukoba, disse que houve muitos ataques incendiários na área de Kagera. “Desde 2013 tivemos mais de 13 igrejas incendiadas aqui nessa região e até agora ninguém foi responsabilizado. É realmente inaceitável essa situação”, disse Annette. Paulina Nkuba de 67 anos, uma das testemunhas, disse que assim que soube do incêndio chamou todos os vizinhos. “Eu moro perto da igreja e meu neto que estava voltando da escola disse que a igreja estava em chamas. Eu corri para tentar apagar o fogo, mas já era tarde”, lamenta.

VEJA TAMBÉM
Obreiro é assassinado a tiros na porta da igreja

Uma outra testemunha, Jackie Mrina, também disse que não havia mais o que fazer e que tudo aconteceu muito rápido. O líder cristão, Sabas Kafuba, disse que além da perda das cadeiras, mesas, instrumentos musicais e geradores, perdeu também todos os documentos da igreja. Mas ele não vai desistir do seu ministério. “Aqueles que pensam que nossas reuniões vão parar por conta desse incêndio, estão muito enganados. A igreja ficava ao lado de uma grande árvore, e vamos nos reunir debaixo dela por enquanto”, planeja o líder. Tanzânia é o 36º país na atual Classificação da Perseguição Religiosa, onde a ideologia do islã tem se espalhado rapidamente. A Portas Abertas atua nessa nação desde 1990, principalmente nas ilhas de Zanzibar, que fica ao lado da costa do país. Em suas orações, interceda pelos nossos irmãos tanzanianos.

Com informações Portas Abertas

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.