08d8aab063f1f27e07f77fb9db2f3441O Conselho de Ética da Assembleia Legislativa da Bahia só deve receber na próxima semana a representação contra o deputado Pastor Isidório de Santana (PDT), feita pela Comissão dos Direitos da Mulher e a Bancada Feminina da Casa. Ele está sendo acusado de quebra de decoro parlamentar e preconceito de gênero por declarações consideradas “homofóbicas” e “machistas”. O parlamentar, que é evangélico, pode perder o mandato caso seja condenado pelo Conselho de Ética.

A gota d’água para as deputadas foi um vídeo que Isidório postou na internet, no Dia das Mães, ao lado de sua genitora, agradecendo-a “por não ser sapatão”, o que permitiu ele ter nascido, motivo para exaltar que a mãe teria “a xoxota mais santa do mundo” [assista a vídeo abaixo].

As deputadas Fabíola Mansur (PSB) e Luiza Maia (PT) acharam que Isidório passou dos limites no que chamam de processo de “desrespeito às mulheres” e “apologia à homofobia”. Quando o deputado integrava os quadros do PSB, Fabíola já tinha defendido sua saída da legenda.

VEJA TAMBÉM
"Ele só queria dar um susto", diz suspeito sobre pastor acusado da morte de pastora

Na sessão desta terça-feira, 17, da Assembleia Legislativa, a deputada Luiza Maia cobrou da mesa diretora o envio rápido da representação ao Conselho de Ética. “Um poder não pode aceitar um dos seus membros com postura tão homofóbica e machista. Não se pode ter medo dos ataques de ódio e dessa histeria contra os homossexuais”, reclamou.

Isidório queixou-se de que querem cassar “o segundo deputado mais votado da Bahia” e provocou que, na Assembleia, não se sabe ao certo quem “é homem ou mulher”.

A deputada Fabíola Mansur retrucou que a votação de um deputado não tem influência na Casa, pois segundo ela todos os parlamentares teriam o mesmo “peso”.

Com informações A Tarde Uol

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.