tce-divulgacao

Pleno do TCE votou suspensão nesta quarta (18)
(Foto: TCE/Divulgação)

A portaria do Departamento de Trânsito do Tocantins (Detran) que instituiu a vistoria ambiental e abriu prazo para credenciamento de empresas foi suspensa pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Assim como o contrato com a empresa O2 Vistoria Ambiental de Veículos Automotores. O posicionamento reforça uma decisão judicial que já havia suspendido a vistoria e contrato.

A decisão do TCE foi dada nesta terça-feira (17) pelo conselheiro substituto Adauton Linhares da Silva e foi ratificada por todos os conselheros do órgão nesta quarta-feira (18). Conforme o órgão, a O2 não atendeu os requisitos técnicos exigidos pela portaria do Detran.

Isso porque uma das condições para o credenciamento seria a comprovação da qualificação técnica da empresa que deveria ter 50 mil inspeções nos últimos cinco anos. O que não ocorreu porque a empresa foi criada em dezembro de 2015. O órgão cita ainda a falta de licitação no contrato.

Outra irregularidade apontada, segundo o TCE, seria um vínculo de parentesco entre o dono da O2 e o dono da empresa Aliança Vistoria e Certificação Automotiva, que realiza outras vistorias para o Detran.

VEJA TAMBÉM
Eduardo Siqueira envia argumentos ao TCE em defesa de Câmaras Municipais

“Tendo assim, indícios de que um grupo familiar esteja atuando em nome da empresa envolvida na vistoria ambiental veicular e um provável direcionamento para contratação da empresa O2 Vistoria Ambiental Veículos Automotores”, diz trecho do despacho.

Por fim, o conselheiro apontou que o fato de 80% das receitas serem da empresa prestadora do serviço. Segundo ele, isso constitui renúncia de receita indireta, o que causaria danos ao erário. Além disso, a taxa instituída no Tocantins, entre R$ 142 e R$ 237, estaria muito acima do cobrado em outros estados. Foi citada a cobrança no Rio Grande do Sul e Paraná, R$ 54,83 e R$ 79, respectivamente.

Respostas
A empresa O2 Vistoria Ambiental disse que ainda não foi notificada e que assim que tomar conhecimento da decisão tomará as devidas providências. “Sobre o parentesco entre os proprietários da O2 Vistoria Ambiental de Veículos Automotores Eireli e da Aliança Vistoria e Certificação Automotiva informamos que este vínculo não existe.”

O Detran e a Aliança Vistoria foram procurados, por telefone, mas ainda não apresentaram resposta.

VEJA TAMBÉM
Até 2021, municípios poderão contratar advogado, médico e contador sem concurso

Deputados
A Assembleia Legislativa deve realizar na tarde desta quarta-feira (18) uma audiência pública para discutir a vistoria ambiental. A cobrança foi instituída pelos próprios parlamentares em outubro de 2015.

G1/TO