Philipe Bastos / Governo do Tocantins

A oficina foi realizada na sede da Seduc e abordou temas sensíveis do cotidiano escolar
A oficina foi realizada na sede da Seduc e abordou temas sensíveis do cotidiano escolar Elias Oliveira /

Foi realizada na tarde desta quinta-feira, 19, na sede da Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), uma oficina voltada para educadores vinculados à Diretoria Regional de Educação (DRE) de Palmas. Com o tema Gênero, o encontro contou com cerca de 30 educadores, entre professores, orientadores e coordenadores pedagógicos e abordou temas sensíveis ao cotidiano escolar, como igualdade de gênero e respeito mútuo.

Utilizando uma abordagem leve e dinâmica, a representante do Banco Mundial, Karla Dominguez Gonzalez, tratou do tema central da oficina com atividades lúdicas e muita troca de informação entre os presentes. Para a ministrante da oficina, a meta é promover uma grande conscientização para que problemas sérios como a discriminação de gênero, o preconceito e a violência sejam erradicados.

“É importante que cada um de nós sejamos conscientes, para que possamos conscientizar todos os níveis da sociedade, sejam pais, professores, estudantes e autoridades”, destacou Karla.

A oficina tem a mesma abordagem do Seminário Gênero, realizado no município de Colinas, no início da semana. O seminário é uma das partes do Programa Estrada do Conhecimento (PEC), que visa promover uma mudança física e social em escolas de municípios localizadas às margens da BR 153.

VEJA TAMBÉM
10 casos de microcefalia são confirmados no Hospital Dona Regina, em Palmas

“Nossos educadores têm que estar preparados para lidar com questões como a violência, o bullying e questões de gênero. Essa é uma gama de questões delicadas e que envolvem alunos, pais e comunidade escolar”, destacou a diretora de Desenvolvimento da Gestão Educacional, Valdete Pagani – coordenadora estadual do PEC.

Além de provocar nos participantes um olhar interno sobre as concepções de gênero e igualdade, a oficina promoveu troca de informações sobre experiências vividas em sala de aula.

A orientadora educacional Amanda Emilene Arruda, do Colégio Estadual Don Alano Marie Du Nodai, destacou a dificuldade em implementar políticas de igualdade de gênero nas escolas. “Vivemos em um país extremamente conservador e extremamente machista. É dentro da escola que vivemos grande parte do tempo, formando seres humanos e nos questionamos que seres humanos estamos formando. Nós, que vestimos a camisa do respeito, somos a minoria”, destacou.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.