imageCasa ficará sob responsabilidade do município. Foto: Reprodução

A partir de uma Ação Civil Pública (ACP) representada pelo Ministério Público do Estado (MPE), que se originou de denúncias anônimas, a Justiça determinou, na última sexta-feira, a intervenção imediata das três casas de acolhimento mantidas pela Associação Ágape, em Paraíso do Tocantins, a 63 km de Palmas. Na ação, foram apresentados indícios de irregularidades na administração e crimes praticados contra crianças e adolescentes.

Também ficou determinado que a administração deverá ficar sob a responsabilidade do município, afastamento da direção e funcionários, transferência de valores da conta da associação para uma conta judicial, entre outras providências.

Na última quinta-feira, o MPE prendeu em flagrante uma cuidadora por maus-tratos e cárcere privado de duas meninas. Também foi preso o pastor Gean Carlos de Sousa, que era responsável pela administração das casas. O MPE chegou a classificar os locais como “casas do horror” por causa dos crimes praticados contra os acolhidos.

Considerada por anos como referência no acolhimento de crianças e adolescentes em situação de risco, a Associação Ágape possui sede instalada em anexo da Igreja Batista Ágape.

VEJA TAMBÉM
Senado instala CPI dos maus-tratos contra crianças e adolescentes

Investigação

De acordo com o MPE, a Promotoria da Infância e Juventude de Paraíso do Tocantins conseguiu provas dos maus-tratos após o caso de um bebê que estaria sendo retirado do abrigo para passar fins de semana com uma família que pretendia adotá-lo, sem a devida autorização judicial e com indícios de futura adoção direcionada. A partir daí, a Promotoria de Justiça passou a ouvir depoimentos de conselheiros tutelares antigos e atuais, de acolhidos e até de cuidadores.

Ficaram constatados abusos, como tortura por meio do trancamento de menores em quarto sem ventilação e sem banheiro, falta de atendimento diante dos gritos e apelos por socorro, discriminações, privação de alimentos como forma de castigo, xingamentos, depreciação da pessoa e da família natural, ameaças de “apanhar da polícia”, entrega indevida de acolhidos a terceiros, falta de liberdade religiosa, além de abusos físicos, sexuais e psicológicos cometidos pela própria direção e funcionários dos abrigos.

Adoções

O MPE ainda verificou que muitas das adoções de crianças eram realizadas por fiéis da igreja e também por pessoas próximas ao pastor, sendo que ele também possui filhos adotados, conforme demonstram registros da Vara da Infância.

VEJA TAMBÉM
Igreja Batista Ágape decide fechar Casa de Abrigo em Paraíso devido a crise financeira

O presidente da associação está preso na Casa de Prisão Provisória de Paraíso, e Kariny Pereira Arantes, coordenadora da associação, está com mandado de prisão expedido, mas até o fechamento desta edição não havia sido encontrada.

O Jornal do Tocantins não conseguiu contato com a associação, mas, conforme informações repassadas à TV Anhanguera, a administração vai se manifestar sobre o assunto nesta segunda, 23.

Entenda

Três casas eram administradas pela Associação Ágape – Casa das Meninas dos Olhos de Deus, Casa dos Meninos e Casa dos Bebês

A associação acolhia crianças e possuía sede instalada em anexo da Igreja Batista Ágape.

De acordo com o MPE, as agressões ocorriam por meio do uso de cintos, cipós, tapas e golpes com cabo de facas

O presidente da Associação Ágape, o pastor Gean Carlos de Sousa, está preso na CPP de Paraíso, e Kariny Pereira Arantes, coordenadora da associação, está sendo procurada pela polícia.

Com informações Jornal do Tocantins

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.