Da Redação JM Notícia – Ricardo Costa

A Câmara Municipal de Palmas presenciou hoje uma cena lamentável por quem pregou a moralidade pública no inicio de seu mandato, cobrando e mostrando os desmandos da gestão municipal, e, em certos momentos, até chamando o prefeito Amastha de desequilibrado. Foi considerado pelos próprios pares, como o maior entrave da gestão e também um vereador atuante durante seus dois primeiros anos.

Vereador Iratã Abreu - Foto: Divulgação
Vereador Iratã Abreu – Foto: Divulgação

Batia e batia forte na atual administração, no entanto, a estrela se apagou e as cobranças sumiram em relação à gestão Amastha. Trata-se do vereador Iratã Abreu, antigo desafeto de Amastha e hoje, fiel escudeiro do prefeito na Câmara.

Hoje, durante a sessão, os vereadores oposicionistas pensaram que o dia poderia ser diferente, já que a Justiça indeferiu o pedido para anular o ato nº 003/2016 da Presidência da Casa, que trata das comissões permanentes da Câmara.

Uma Medida Provisória foi aprovada, e também um Projeto de Lei nº 156/2015, que inclui no Calendário Oficial de Eventos do Município de Palmas o Dia do Casamento Civil. A matéria é de autoria do vereador Pastor João Campos (PSC).

VEJA TAMBÉM
Prefeitura de Palmas assina contrato para instalação de captação de energia solar

No entanto, antes de serem apreciadas as novas MPs que trancam a pauta, o vereador Iratã Abreu, que completava o número exato para dar quórum para novas apreciações, deixou a sessão com um ar de sorriso, meio que sem graça.

Governistas deixaram a sessão minutos antes de votarem as MPs que destravariam a pauta
Governistas deixaram a sessão minutos antes de votarem as MPs que destravariam a pauta – Esequias Araújo

O sentimento na Casa de Leis foi de muita revolta entre os parlamentares e a população que assistia atentamente à sessão desta quarta-feira. Para o Vereador João Campos, é triste a realidade da Câmara de Palmas. Na opinião do vereador Milton Neris, o prefeito teria que ser responsabilizado.

Entre os vereadores que deixaram a sessão para não dar quórum, estavam o ex-líder do governo, Folha (PSD), Major Negreiros (PSB), Waldson da Agesp(PCdoB), Gerson da Mil Coisas (PSL).

O imbróglio já dura mais de 60 dias. Até quando vai essa situação na capital mais jovem do país???