presos-pastorHomens presos pela Polícia Civil apontados como suspeitos pela morte do pastor. Foto: Divulgação

A Polícia Civil identificou e prendeu dois homens, e apreendeu um adolescente, apontados como responsáveis pela morte de um pastor de 42 anos. O religioso foi alvo de tiros em março de 2015 no bairro Concórdia, região Leste de Belo Horizonte. Na época do crime, a vítima teria previsto o próprio assassinato.

Segundo as investigações, os suspeitos, de 26 e 30 anos, armaram a morte do pastor por causa da venda de um carro. O religioso comprou o veículo por R$ 6 mil, mas só pagou a metade. Um dos bandidos estava preso quando a vítima foi morta. Parte do dinheiro da venda do automóvel seria usado por ele para pagar um advogado.

A mãe do suspeito preso era frequentadora da igreja comandada pelo pastor e ficou responsável por intermediar o contato entre as partes. Em um prazo de seis meses, o acordo não foi cumprido e os homens encomendaram a morte da vítima. Eles são conhecidos da polícia pelo envolvimento no tráfico de drogas.

VEJA TAMBÉM
Governo do Tocantins detalha investimentos na área de segurança

No dia 29 de março do ano passado, o atirador foi até a casa do religioso acompanhado pelo adolescente em uma moto. Eles mataram o pastor com vários tiros na frente da esposa dele e da mãe do suspeito preso anteriormente.

Premonição

Na noite do crime, a caminho do culto, o pastor deixou a esposa em outra igreja e seguiu com a vizinha, mãe do suspeito preso, a quem sempre dava carona. Em determinado momento, o pastor se assustou e disse ter visto um corpo ensanguentado na calçada, o que, de acordo com a vizinha, foi uma visão.

Durante realização do culto, ele se mostrou abatido e, segundo testemunhas, chegou a citar uma passagem da Bíblia que diz: ‘Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersas’ (Mateus 26:31). Em seguida, chamou todos os presentes para uma sessão de arrependimento.

Com informações BHAZ

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.