O espetáculo teatral “Pornô Gospel”, que estreou no dia 19 de maio no Mini Auditório do Teatro Guaíra, causou revolta de segmentos cristãos e evangélicos da sociedade curitibana.Membros do grupo de teatro chegaram a registrar um boletim de ocorrência em uma delegacia e a reforçar a segurança durante as apresentações depois de ameaças.

A peça é uma comédia, com sátiras baseadas em fatos reais, noticiados em grandes veículos de comunicação.

Como faz uma crítica ao comportamento de pastores evangélicos na exploração da fé, na política, e faz uma associação ao lançamento de produtos eróticos exclusivos para evangélicos, o espetáculo é acusado por fiéis de generalizar e atacar a fé cristã.

O pastor Tiago Ferro, fundador do Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política, no Paraná, e diretor do Conselho de Ministros Evangélicos do Estado, afirma que a chamada, o nome, e as referências a políticos evangélicos, ofendem o segmento cristão.A direção da peça esclareceu que há oito meses, quando o espetáculo começou a ser pensado, o nome “PornoGospel” já existia.É uma referência a produtos que estão no mercado de sexshop, apresentados na Erotika Fair, em São Paulo no ano passado.

VEJA TAMBÉM
Tragédia aérea no Paraná quase vitimou cerca de 300 fieis que participavam de culto

Além disso, exitem filmes destinados ao público evangélico. O produtor da peça, Fernando Cardoso, afirma que todo o roteiro da comédia é baseado em fatos reais e não houve ofensa à fé das pessoas.A diretora da peça, Mariana Zanette, afirma que os temas principais são “política” e o “mau uso da fé das pessoas”.Segundo ela, todos elegeram políticos corruptos, tanto na esquerda quanto na direita, e a peça cita exemplos de exploração por meio da religião.Segundo os organizadores, a peça é totalmente independente, paga por meio de financiamentos coletivos pela internet, no site Catarse. Não há qualquer uso de recursos de leis de incentivo à cultura.

O grupo nega que tenha panfletado durante a Marcha para Jesus, ou qualquer outro ambiente relacionado à religião. Os próprios membros do grupo fizeram a divulgação das apresentações.O pastor Tiago Ferro ressaltou que não assistiu à peça, mas que pretende assistir nesta semana, para avaliar uma eventual ação judicial contra alguns pontos abordados, mas afirmou que não acredita em retirar a peça de cartaz.Além do boletim de ocorrência, o grupo de teatro pretende processar pessoas que tenham difamado a peça com mentiras.O espetáculo está em cartaz no Teatro Guaíra, em Curitiba, até o dia 5 de junho.

VEJA TAMBÉM
Vídeo: Polícia entra em templo da Assembleia de Deus e arranca cabos de aparelhos de som

Com informações Paraná Portal