OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Uma servidora pública foi sequestrada e violentada por volta das 13 horas desta quarta-feira (01), na Praça dos Girassóis em Palmas

Entidades classistas do Estado do Tocantins divulgaram nesta quinta-feira, 02, nota de repúdio contra o terrível ato de violência ocorrido na última quarta-feira, dia 1º de junho, em Palmas, quando uma servidora pública teve seu carro furtado e sofreu violência sexual, em plena luz do dia, no centro da Capital.

A nota ressalta que o fato acontece “no mesmo momento em que, no cenário nacional, o país inteiro está horrorizado diante do estupro coletivo ocorrido no Estado do Rio de Janeiro, envolvendo uma adolescente de 16 anos e mais de 30 homens.

O documento critica ainda a fragilidade da segurança pública estadual quando diz que “o ocorrido nesta quarta-feira, em Palmas, traz à tona a falta de segurança com que o tocantinense tem convivido nos últimos anos.

Confira na íntegra:

NOTA DE REPÚDIO – VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

O Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (SISEPE-TO), em conjunto com a Nova Central Sindical dos Trabalhadores no Tocantins (NCST-TO), a vice-presidência estadual da Federação dos Servidores Públicos Estaduais e Municipais (FESEMPRE) e a Associação dos Servidores da Secretaria da Administração (ASSECAD) vêm a público, REPUDIAR o terrível ato de violência ocorrido na última quarta-feira, dia 1º de junho, em Palmas, quando uma servidora pública teve seu carro furtado e sofreu violência sexual, em plena luz do dia, no centro da Capital.

Na ocasião, a servidora, cuja identidade não será divulgada, deixava o seu local de trabalho, quando foi interceptada pelo criminoso. O fato acontece no mesmo momento em que, no cenário nacional, o país inteiro está horrorizado diante do estupro coletivo ocorrido no Estado do Rio de Janeiro, envolvendo uma adolescente de 16 anos e mais de 30 homens.

Segundo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, em 2015, uma mulher foi estuprada a cada 11 minutos no Brasil, sendo que por diversos fatores, muitas vítimas não chegaram a registrar a ocorrência nos órgãos competentes.

Nós, entidades classistas que representamos e lutamos pelas causas dos servidores públicos, estamos estarrecidos e manifestamos nossa INDIGNAÇÃO, REPULSA e REPÚDIO a todo e qualquer ato de violência contra a mulher. O crime ocorrido nesta quarta-feira, em Palmas, traz à tona a falta de segurança com que o tocantinense tem convivido nos últimos anos. São assaltos, roubos e todo tipo de violência que tem gerado pavor no dia a dia da população, principalmente, nas maiores cidades.

Informamos que estamos acompanhando de perto o caso da servidora e cobrando dos órgãos de Segurança Pública celeridade na investigação. O responsável por este absurdo precisa ser severamente punido.

Aproveitamos ainda para cobrar do Governo do Estado e de todos os órgãos de segurança pública, a adoção de medidas efetivas na prevenção e combate à criminalidade. A população tocantinense não aguenta mais ter que conviver com o medo e o pavor por conta da falta de segurança em nossas cidades.

Palmas Tocantins, 02 de junho de 2016.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.